sicnot

Perfil

Mundo

Deputados jordanos assinam petição para proibir entrada de Donald Trump no país

Vinte e cinco deputados jordanos assinaram este domingo uma petição para proibir a entrada na Jordânia do milionário norte-americano Donald Trump, em resposta à sua proposta de impedir temporariamente a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos.

© Mary Schwalm / Reuters

Os membros da câmara baixa do parlamento jordano qualificaram a proposta de Trump, candidato à investidura do Partido Republicano para as presidenciais norte-americanas de novembro de 2016, de racista.

"Condenamos as declarações racistas de Trump contra os muçulmanos e pedimos ao governo que proiba este racista de entrar em território jordano no futuro", de acordo com a nota dos deputados.

Trump apresentou no dia 7 deste mês uma proposta polémica para proibir temporariamente a entrada nos EUA de todos os muçulmanos, devido a uma alegada ameaça do terrorismo 'jihadista'.

Para os deputados jordanos, "as declarações de Trump alimentam o extremismo e o terrorismo e prejudicam as relações de amizade entre a Jordânia e os Estados Unidos, bem como os laços entre Washington e o mundo árabe e islâmico".

No passado dia 09, Donald Trump negou qualquer intenção de visitar a Jordânia este mês, como tinha sido divulgado por vários 'media' norte-americanos.

De acordo com o milionário, que lidera as sondagens para a investidura pelos republicanos, a sua proposta, que deu origem a uma enorme controvérsia, "não tem nada a ver com religião", mas com segurança.

Lusa

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.