sicnot

Perfil

Mundo

Dois mortos e intimidações em dia de referendo na República Centro-Africana

Tiros, ameaças e intimidações marcavam este domingo a realização do referendo constitucional na República Centro-Africana, com dois mortos no enclave muçulmano de Bangui para esta primeira etapa de um processo eleitoral.

(Arquivo)

(Arquivo)

© XXSTRINGERXX xxxxx / Reuters

A meio do dia, o bairro muçulmano PK5 era alvo de tiros de armas pesadas. No bairro, confrontos entre opositores e apoiantes do referendo causaram dois mortos, de acordo com a agência noticiosa francesa AFP.

Este é o primeiro teste de tentativa de regresso à normalidade pela via eleitoral no país marcado por três anos de violentos confrontos intercomunitários. As eleições presidenciais e legislativas estão marcadas para 27 de dezembro.

Os corpos dos dois mortos foram levados para a mesquita Ali Babolo, no PK5.

Fontes hospitalares disseram que cerca de duas dezenas de habitantes ficaram feridos nos confrontos, que começaram ao amanhecer, antes de se intensificarem com o envolvimento de armas pesadas a meio do dia, nas proximidades de uma assembleia de voto, situada numa escola.

Os tiros de metralhadora e do lança-foguetes ocorreram junto à escola Baya Dombia, onde muitos eleitores aguardavam a chegada tardia do material eleitoral transportado pelos "capacetes azuis" senegaleses da missão da ONU na República Centro-Africana (Minusca). Os soldados da ONU ripostaram para proteger os eleitores.

A participação no processo eleitoral divide os muçulmanos da ex-rebelião Séléka, e algumas fações, como a do antigo "número dois" do movimento Nureddin Adam, rejeitam as eleições.

Outros muçulmanos querem votar e várias dezenas manifestaram-se esta manhã, em frente à sede da Minusca, com cartazes onde se podia ler: "Queremos votar".

"Estamos aqui, ficamos com eles no campo de batalha. Eles (os residentes do PK5) vão poder votar, e votarão até à noite se for preciso", declarou à AFP o general senegalês Balla Keita, chefe da Minusca.

A participação no processo eleitoral divide também as milícias anti-'balaka', cristãs e animistas. Os opositores concentram-se entre os apoiantes do antigo presidente François Bozizé, cuja candidatura à presidencial foi rejeitada pelo Tribunal Constitucional.

Em outros bairros de Bangui, a votação decorre tranquilamente, apesar de ter começado, em alguns casos, com uma ou duas horas de atraso, devido à chegada tardia do material eleitoral e dos funcionários responsáveis pelas assembleias de voto.

Fonte da Minusca referiu a ocorrência de vários incidentes na província, sobretudo no norte e leste do país.

Em Ndele, Birao e Kaga Bandoro, redutos da fação 'Séléka' de Nurredin Adam, tiros e ameaças levaram os habitantes a não participar na votação.

Em Bossangoa, reduto de Bozizé no oeste, tiros dissuadiram as pessoas de votar e o material eleitoral foi saqueado.

A República Centro-Africana, um dos países mais pobres do mundo, está mergulhada no caos desde o derrube do presidente Bozizé em março de 2013 pela ex-rebelião 'Séléka', também afastada do poder por uma intervenção internacional no início do ano passado.

Perto de dois milhões de eleitores foram chamados a aprovar a nova Constituição, que deverá instaurar uma sexta República, desde a independência em 1960 desta ex-colónia francesa.

Se o texto for adotado, Bangui vai conhecer o 13.º regime desde a independência. O país já conheceu cinco Repúblicas, um Império (o de Jean-Bedel Bokassa) e seis transições.

As principais inovações do texto dizem respeito, nomeadamente, ao número máximo de mandatos presidenciais (dois), à luta contra a corrupção endémica, o afastamento dos grupos armados do processo político e a criação de um alto tribunal de justiça.

Organizar este tipo de escrutínio no país foi um verdadeiro desafio: a autoridade do Estado desapareceu de regiões inteiras e numerosas assembleias de voto - ao todo 5.600 - encontram-se em regiões só acessíveis por vias quase inexistentes.

À exceção do partido de Bozizé e de alguns responsáveis anti-'balaka' e Séléka, a maior parte dos partidos políticos apelaram ao "sim".

Lusa

  • Portugueses na República Centro-Africana fazem balanço da situação
    2:11

    País

    A onda de violência na República Centro-Africana parece começar a diminuir. À SIC, uma voluntária portuguesa a trabalhar para a ONU neste país, adiantou que o ambiente na capital, Bangui, é neste momento muito mais calmo, depois das pilhagens e ataques, que desde sábado fizeram mais de 40 morto. No país estão cerca de 20 portugueses.

  • Papa visita campo de refugiados na República Centro Africana
    1:29

    Mundo

    Paz, reconciliação e fé no futuro são as mensagens transmitidas pelo Papa na República Centro Africana. Na última e mais perigosa etapa da primeira peregrinação africana, Francisco visitou hoje um campo de refugiados e reuniu-se com religiosos e jovens que sofrem com o conflito entre cristãos e muçulmanos.

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.