sicnot

Perfil

Mundo

Incidente naval provoca novo problema diplomático entre Rússia e Turquia

O Ministério da Defesa da Rússia convocou este domingo de urgência o adido militar turco em Moscovo após o incidente ocorrido no Mar Egeu entre uma fragata russa e um pesqueiro turco.

© Murad Sezer / Reuters

A fragata da Marinha de Guerra russa "Smetlivi" efetuou vários disparos de aviso para evitar abalroar uma embarcação com pavilhão da Turquia que se encontrava em rota de colisão ao largo da ilha grega de Lemnos, no Mar Egeu.

A tripulação do navio de guerra russo quando localizou o pesqueiro, a cerca de mil metros de distância, contactou os pescadores via rádio e depois de forma visual, mas não obteve resposta.

"Quando a embarcação se aproximou, a 600 metros da fragata russa foram utilizadas armas de fogo para evitar a colisão", indicou o Ministério da Defesa de Moscovo em comunicado.

"Imediatamente, o pesqueiro turco mudou de rumo e sem efetuar qualquer contacto com a tripulação russa, continuou a navegar", quando se encontrava a distância de 540 metros do "Smetliv".

A falta de justificações por parte da embarcação turca fez com que o vice-ministro da Defesa russo, Anatoli Antonov, convocasse o adido militar turco em Moscovo.

As relações entre a Rússia e a Turquia degradaram-se depois de um avião da Força Aérea turca ter derrubado um bombardeiro russo, sobre a fronteira síria, em novembro.

Presumivelmente, o avião de combate russo violou o espaço aéreo da Turquia, apesar de Moscovo negar o sobrevoo do território turco.

Na altura, antes do pedido de desculpas formal de Ancara, o Presidente russo, Vladimir Putin, ordenou a imposição de sanções económicas contra a Turquia, nomeadamente a suspensão das ligações de voos turísticos de baixo custo entre os dois países, a obrigatoriedade de vistos, o congelamento dos acordos comerciais e o embargo à compra de verduras e fruta.

Mais tarde, Putin acusou a Turquia de estar a proteger as vias de abastecimento utilizadas pelos extremistas islâmicos do grupo Estado Islâmico no tráfico de petróleo sírio e iraquiano.

Entretanto, o chefe de Estado turco, Recep Tayyip Erdogan, que negou estar a beneficiar dos negócios ilegais relacionados com o petróleo transportado pelo Estado Islâmico avisou que se está a esgotar a "paciência" em relação às agressividades da Rússia.

Ao mesmo tempo, o Exército de Ancara proibiu os militares turcos de gozarem férias na Rússia, uma medida que abrange também os cadetes da Academia Militar da Turquia.

Segundo a agência de notícia turca Anatólia trata-se de uma "medida de precaução" na sequência da crise diplomática entre os dois países.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59