sicnot

Perfil

Mundo

Papa critica os "poderosos" e proclama "o tempo do grande perdão"

O Papa Francisco abriu hoje a Porta Santa da catedral de Roma, São João de Latrão, e durante a sua homilia criticou a arrogância dos governantes e proclamou que com o Jubileu "começa o tempo do grande perdão".

Gregorio Borgia / AP

"Este terceiro domingo do advento faz com que assistamos à chegada do Natal, já próximo. Não podemos deixar-nos cair no cansaço; não nos é permitida nenhuma forma de tristeza. Embora tenhamos motivo para tantas preocupações e para as múltiplas formas de violência que ferem a nossa humanidade", disse na sua homilia.

Francisco assinalou que "num contexto histórico de grandes abusos e violências, por causa sobretudo dos homens do poder, Deus faz saber que Ele mesmo governará o seu povo, que não o deixará nas mãos da arrogância dos seus governantes, que o libertará de cada angústia".

"Hoje é-nos exigido que 'não baixemos os braços' por causa da dúvida, da impaciência ou do sofrimento".

O papa evocou então a alegria porque começou o Jubileu, um tempo que qualificou como "o tempo do grande perdão".

"Abrimos a Porta Santa, aqui e em todas as catedrais do mundo. É também um gesto simples e um convite à alegria. Começa o tempo do grande perdão. É o Jubileu da misericórdia", celebrou.

A abertura da Porta Santa ocorreu às 09:30 locais (08:30 TMG) e depois foi celebrada a missa, uma cerimónia seguida por milhares de fieis que se juntaram dentro e fora do tempo para assistir a este ritual que não se realizava desde o Jubileu do ano 2000, durante o pontificado do já santo João Paulo II.

As imediações da basílica de São João de Latrão foram marcadas por um aumento considerável de vigilância e controlos policiais, devido ao alerta terrorista na Europa que obrigou as autoridades a ter especial atenção aos atos do Jubileu, em que são frequentes as aglomerações.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.