sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos 13 mulheres eleitas para conselhos municipais na Arábia Saudita

Pelo menos 13 mulheres foram eleitas para conselhos municipais na Arábia Saudita, nas eleições de sábado, as primeiras em que as sauditas foram autorizadas a participar como eleitoras e candidatas, de acordo com dados oficiais divulgados hoje.

Reuters

As candidatas venceram em oito províncias, indicam os resultados apresentados pelas comissões eleitorais de cada região e publicados em 'media' oficiais.

O ministério dos Assuntos Municipais e Rurais saudita deverá anunciar, ainda hoje, os dados definitivos e os números dos 2.106 candidatos eleitos para formar os conselhos municipais.

Na região de Riade foram eleitas três mulheres, enquanto em Yeda (oeste), Al Ahsa (leste) e Al Quseim (norte) foram eleitas duas.

Quatro mulheres vão ocupar postos em conselhos municipais em Meca (oeste), Al Yauf (norte), Tabuk (noroeste) e Yazan (sudoeste).

Uma das candidatas é Lama al Suleiman, empresária e vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Yeda.

Outro nome conhecido é o de Hoda al Yarisi, também empresária e membro da executiva da Câmara de Comércio e Indústria de Riade.

Um total de 1.486.477 pessoas inscreveu-se no recenseamento eleitoral, incluindo 130.657 mulheres, para votar em 6.440 candidatos. Apenas 900 eram mulheres.

A participação das mulheres nestas eleições, um marco histórico na Arábia Saudita, foi possível na sequência de um decreto de 2011, promulgado pelo rei Abdallah bin Abdelaziz, que morreu no ano passado.

A campanha eleitoral não foi fácil para as candidatas femininas, já que, na mesma linha política que rege o país, baseada na lei islâmica (sharia), a Comissão Eleitoral impôs a segregação total de sexos e proibiu que os candidatos de usarem fotografias na propaganda ou de discursarem perante pessoas de outro sexo.

Neste reino ultraconservador as mulhers não podem conduzir ou viajar para o estrangeiro sem estarem acompanhas por um homem da família ou tutor, entre outras restrições.

Lusa

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26