sicnot

Perfil

Mundo

Filipinas em alerta vermelho devido à chegada do tufão Melor

O Conselho de Gestão e Redução de Risco de Desastres das Filipinas declarou o alerta vermelho para o tufão Melor, que chegou hoje à região central do país, com ventos de até 150 quilómetros por hora e rajadas até 185.

Cabana de pescadores, Filipinas.

Cabana de pescadores, Filipinas.

Reuters

Mais de 724 mil pessoas foram retiradas nas províncias de Samar do Norte, Sorsogon e Albay, informou o organismo no seu mais recente comunicado.

Segundo a agência meteorológica PAGASA, o Melor chegou à ilha de Batag, na província de Samar do Norte, às 11:00 locais (03:00 em Lisboa), e desloca-se a 17 quilómetros por hora na direção oeste.

As autoridades filipinas emitiram alertas para 34 províncias -- a maioria das regiões de Visayas e sul de Luzon --, das quais nove se encontram no nível de alerta 3 de um máximo de 5.

Entre as províncias que estão no nível 3 encontra-se Samar Oriental, uma das mais afetadas pelo tufão Haiyan, que em novembro de 2013 causou mais de 6.300 mortos e 1.000 desaparecidos.

A área metropolitana de Manila, onde residem cerca de 12 milhões de habitantes, está sob nível de alerta 1.

O tufão, batizado "Nona" pelas autoridades locais, poderá provocar um aumento do nível do mar de quatro metros nas zonas costeiras afetadas.

Está também prevista uma precipitação de 20 a 30 litros de água por hora por metro quadrado, nos seus 300 quilómetros quadrados de diâmetro, com o perigo de inundações e deslizamento de terras.

As Forças Armadas ajudam na evacuação das zonas que previsivelmente vão ficar mais afetadas, enquanto o Ministério do Bem-Estar Social e Desenvolvimento distribuiu mais de 263.000 pacotes familiares de alimentos.

As autoridades preveem que o Melor abandone o território filipino na próxima quarta-feira.

Entre 15 e 20 tufões assolam todos os anos as Filipinas durante a época da chuva, que começa em junho e vai até novembro.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".