sicnot

Perfil

Mundo

Malaio detido por insultar família real no Facebook

As autoridades da Malásia detiveram um homem por, alegadamente, ter insultado a família real do estado de Johor, no Facebook. O chefe comissário da polícia de Johor, Datuk Wan Ahmad Majmuddin Mohd, disse aos jornalistas que tinham apanhado o homem depois de invadirem a sua casa no sábado de manhã.

© Rick Wilking / Reuters

Após a detenção do homem de 37 anos, a polícia afirmou ter descoberto outros dois posts com o mesmo teor, segundo noticia o Mashable. Fica, agora, detido por quatro dias e com o telemóvel confiscado, enquanto decorrem as investigações. Se for considerado culpado, pode enfrentar até 18 meses de prisão, ou ter de pagar um máximo de 460 dólares (cerca de 418 euros).

Não é a primeira vez que alguém é preso por "crimes" relacionados com o Facebook, na Malásia. Em 2012, um homem de 27 anos foi detido em Kuala Lumpur também por insultos à mesma família. Dois anos depois, o seu irmão gémeo, Ali, pediu asilo político à Suécia, depois de também ter sido preso pelos mesmos motivos.

  • Detido dono do cão que feriu criança com gravidade

    País

    O dono do cão de raça Rottweiler que esta terça-feira feriu com gravidade uma criança de 4 anos em Matosinhos foi detido pela PSP e o animal já foi recolhido no canil municipal, informou fonte oficial da autarquia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.