sicnot

Perfil

Mundo

Professor atacado em França por homem que evocou Daesh

ÚLTIMA HORA

Um professor foi atacado com uma arma branca, na região da capital de França, por um homem que durante o ato evocou o Daesh. O ataque ocorreu numa escola na cidade de Aubervilliers, na região de Paris. A polícia confirma que o agressor está em fuga.

O professor que foi apunhalado na garganta, encontrava-se sozinho numa sala a preparar-se para dar aulas na Escola Jean-Perrin Aubervilliers. O docente foi hospitalizado mas não corre risco de vida.

De acordo com as autoridades locais, o atacante que se encontrava vestido com um fato de pintor gritou: "Este é o Daesh, é um aviso". Estas declarações foram relatadas por uma testemunha, a trabalhar na escola no momento do ataque.

O agressor fugiu a pé e, de acordo com as autoridades, foi montado uma operação policial para tentar localizar o atacante.

As secções antiterroristas da Procuradoria de Paris e da Brigada criminal estão encarregadas do inquérito, aberto por tentativa de homicídio e relação com atos terroristas.

Este incidente acontece um mês após os ataques que mataram 130 pessoas e causaram 350 feridos em Paris. Os atentados da autoria do Daesh suscitaram uma reação imediata da França, que desencadeou ofensivas militares nos territórios da Síria e Iraque sob o domínio do autodenominado Estado Islâmico.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.