sicnot

Perfil

Mundo

Relatório revela que Brasil está entre os países mais perigosos para os jornalistas

O Brasil continua a ser um dos países mais perigosos para os jornalistas no mundo, com sete profissionais mortos em 2015, de acordo com o relatório divulgado hoje pela Press Emblem Campaign (PEC), informou a imprensa brasileira.

(Reuters / Arquivo)

(Reuters / Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

Segundo a Press Emblem Campaign, citada pelo jornal O Estado de São Paulo, o Brasil aparece no sétimo lugar entre os locais com a maior quantidade de mortes de jornalistas no mundo, já que sete jornalistas foram assassinados no país em 2015.

Desde janeiro, 128 jornalistas morreram em 31 países, de acordo com a PEC, que tem a sua sede em Genebra.

Em 2015, o país com mais mortes de jornalistas foi a Síria, com onze vítimas, seguido por Iraque e México, cada um com dez jornalistas assassinados. Oito jornalistas foram mortos na França, Líbia e Filipinas.

O Médio Oriente continua a ser a região mais perigosa para jornalistas, com 38 mortes em 2015, mas a América Latina fica em segundo lugar, com 31 assassinato s.

O ano começou com o massacre na redação do jornal Charlie Hebdo (em França, num atentado terrorista em janeiro) e com a morte do jornalista japonês, Kenji Goto, na Síria, executado pelo Estado Islâmico.

Metade das mortes foram culpa de grupos terroristas ou organizações criminosas.

Em cinco anos, 35 jornalistas foram mortos no Brasil, de acordo com o estudo da organização. Com estes números, o Brasil supera a situação nas Honduras ou na Líbia.

A liderar a lista está a Síria, onde 86 jornalistas foram assassinados em cinco anos, seguida do Paquistão, com 55 mortes e do Iraque e México, cada um com 46 assassinatos em cinco anos.

A Somália teve nesse mesmo período 42 mortos e as Filipinas 34 mortos.

Em dez anos, 1.100 jornalistas foram mortos pelo mundo, uma média de 2,2 por semana.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.