sicnot

Perfil

Mundo

Sonda japonesa segue em direção ao asteroide Ryugu após assistência

A Agência Aeroespacial do Japão (JAXA) informou hoje que a sonda Hayabusa 2 viaja na rota correta em direção ao seu objetivo, o asteroide Ryugu, depois de uma manobra de assistência.

reuters

A sonda realizou na semana passada (a 03 de dezembro) esta manobra, em que o dispositivo se aproximou do planeta Terra (a cerca de 3.100 quilómetros) para aproveitar a energia do campo gravitacional planetário e aumentar assim a sua velocidade e colocar-se numa nova órbita em direção ao asteroide.

Após a manobra, os técnicos da JAXA analisaram a órbita da sonda e confirmaram hoje que esta é correta e que a Hayabusa 2 funciona com total normalidade.

A nave tem previsto aterrar no asteroide Ryugu (originalmente designado 1999JU3) entre junho e julho de 2018 e regressar a Terra com amostras obtidas do mesmo em 2020.

O 1999JU3 é um asteroide com cerca de 900 metros de largura descoberto em 1999 pelo programa de investigação norte-americano LINEAR e faz parte dos chamados asteroides Apolo, um dos três grupos que estão mais perto da Terra.

Os cientistas da JAXA consideram que Ryugu contém água e matéria orgânica e esperam que as amostras possam servir para decifrar algumas informações sobre a origem da vida na Terra.

Esta é a segunda sonda do programa Hayabusa, o primeiro que conseguiu trazer de volta a Terra amostras de um asteroide.

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43