sicnot

Perfil

Mundo

Amnistia Internacional denuncia morte de xiitas pelo exército da Nigéria

A Amnistia Internacional (AI) considerou hoje que a morte de membros de um grupo religioso xiita em Zaria, província de Kaduna, Nigéria, pelo exército nigeriano, deve ser "urgentemente investigado" com o envio dos eventuais responsáveis perante a justiça.

© Akintunde Akinleye / Reuters

"Enquanto ainda permanece por esclarecer o número total de mortos, não restam dúvidas que se registou uma substancial perda de vidas humanas às mãos dos militares", considerou M. K. Ibrahim, diretor para a Nigéria da AI.

"As armas de fogo devem ser utilizadas apenas como último recurso, se foram estritamente necessárias para proteger vidas humanas. É crucial que as autoridades demonstrem contenção no uso da força e assegurem que qualquer responsável por mortes à margem da lei deverá comparecer perante a justiça para um julgamento justo", indicia o comunicado da organização de direitos humanos.

Para além das vítimas, a AI denuncia ainda a "prisão de muitos membros do Movimento Islâmico da Nigéria (IMN), incluindo o líder do grupo, Ibraheem Zakzaky, que foi levado da sua residência na manhã de domingo e permanece detido. Não é claro que tenha acesso a um advogado. As informações sugerem que os mortos e feridos foram levados para o hospital militar e para um hospital universitário".

A organização, sediada em Londres, recorda ainda a "história de mortes ilegais e outras violações dos direitos humanos" atribuídas às forças de segurança nigerianas, incluindo nas operações contra o grupo islamita Boko Haram e onde as forças militares nigerianas "também cometeram no nordeste da Nigéria sérias violações dos direitos humanos, crimes de guerra e outros atos que podem constituir crimes contra a humanidade".

"É necessária uma investigação urgente e imparcial sobre estas mortes. Qualquer responsável por mortes à margem da lei deverá comparecer perante a justiça. Deve ser garantida assistência médica aos que permanecem detidos, que devem ser indiciados por uma reconhecida ofensa criminal, ou libertados", concluiu M. K. Ibrahim.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.