sicnot

Perfil

Mundo

Arábia Saudita anuncia coligação de países islâmicos contra o terrorismo

A Arábia Saudita anunciou uma coligação militar de 34 países islâmicos para combater o terrorismo, com um centro de operações conjuntas em Riade e o apoio de outras dez nações, incluindo a Indonésia.

© Stringer . / Reuters

Segundo a agência saudita (SPA), o propósito desta coligação é "cerrar fileiras e unir esforços para combater o terrorismo" em todas as suas formas e manifestações, eliminar os seus objetivos e causas e sublinhar o direito dos Estados à legítima defesa.

As operações militares para combater o terrorismo e desenvolver os programas e mecanismos necessários para apoiar estes esforços serão coordenadas a partir de Riade.

Os 34 governos baseiam a sua coligação nos princípios e objetivos da Carta da Organização de Cooperação Islâmica, "que pede aos Estados membros que cooperem para combater o terrorismo em todas as suas formas e manifestações e rejeita todas as justificações e desculpas para o terrorismo".

Além disso, apoiam-se nas disposições contidas na Carta das Nações Unidas e noutras convenções internacionais com vista à erradicação do terrorismo.

Além da Arábia Saudita, participam na aliança a Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Paquistão, Barém, Bangladesh, Benim, Turquia, Chade, Togo, Tunísia, Djibuti, Senegal, Sudão, Serra Leoa, Somália, Gabão, Guiné, Palestina, Camarões, Qatar, Costa de Marfim, Kuwait, Líbano, Líbia, Maldivas, Mali, Malásia, Egito, Marrocos, Mauritânia, Níger, Nigéria, Iémen.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43