sicnot

Perfil

Mundo

Bélgica deverá ficar em nível 3 de alerta de ameaça terrorista até final do ano

A Bélgica deverá manter o alerta de ameaça terrorista no nível 3, numa escala de quatro, até ao final do ano, anunciou o ministério da Administração Interna depois de uma reunião do Conselho Nacional de Segurança.

Reuters

Reuters

© Yves Herman / Reuters

Segundo a imprensa local, o gabinete ministerial liderado por Jan Jambon precisou que a decisão de manter o nível de alerta foi comunicada segunda-feira pelo Órgão de Coordenação para a Análise de Ameaça.

Este nível de alerta continuará a ser avaliado durante o período de festas, acrescentou.

O nível 3 corresponde a uma ameaça "possível e plausível", enquanto o nível 4, que esteve em vigor entre 21 e 26 de novembro, é registado quando há uma ameaça "seroa e iminente".

Na segunda-feira, Yvan Mayeur, o autarca de Bruxelas, anunciou que os tradicionais fogos de artifício do final do ano se irão manter, a não ser que se eleve o alerta de ameaça.

  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.