sicnot

Perfil

Mundo

Há 54 jornalistas sequestrados, mais 35% que em 2014

Um total de 54 jornalistas está sequestrado atualmente, mais 35% do que em 2014, revelou hoje a organização internacional Repórteres sem Fronteiras, que diz que a Síria se tornou no lugar mais perigoso para esta profissão.

Segundo a UNESCO, em média um jornalista é morto por semana no mundo e menos de 6% do total de 593 assassinatos de jornalistas (2006-2013) foram resolvidos. (Arquivo)

Segundo a UNESCO, em média um jornalista é morto por semana no mundo e menos de 6% do total de 593 assassinatos de jornalistas (2006-2013) foram resolvidos. (Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

Aos 54 sequestrados é preciso somar, segundo a organização, três "cidadãos-jornalistas" e quatro colaboradores de meios de comunicação social.

Já o número de jornalistas detidos este ano baixou para 153, menos 14%, segundo um relatório dos Repórteres sem Fronteiras (RSF).

Neste balanço de 2015, os RSF destacam que a Síria se transformou no lugar mais perigoso do mundo para os jornalistas, que "são um alvo fácil para grupos radicais como o Estado Islâmico ou a Frente Al-Nusra".

Estes grupos extremistas usam os sequestros de jornalistas para tentarem obter dinheiro com os resgates mas também "como uma forma de pressão e de fazer reinar o terror para calar críticas", segundo os RSF.

O estado Islâmico (EI) é o grupo que mantém mais jornalistas sequestrados (18), seguido pelos huties do Iémen (9).

No entanto, apesar de haver mais jornalistas sequestrados, em 2015 o número de novos raptos caiu 34%, o que se deve à mudança da situação na Ucrânia, onde tinham ocorrido a maioria dos sequestros em 2014.

Cerca de 70% dos sequestros de 2015 tiveram lugar em zonas de conflito e apenas 5% eram jornalistas estrangeiros no país onde foram feitos reféns.

Quanto às detenções, o número de jornalistas presos caiu de 178 em 2014 para 153 este ano, mas os RSF sublinham que, apesar disso, continua a haver "importantes prisões" para estes profissionais.

É este o caso da China, onde 23 jornalistas estão presos, sendo o país onde este número é maior. Segue-se o Egito (22 jornalistas presos), o Irão (18) e a Eritreia (15).

Somam-se a estes casos o de 161 "jornalistas-cidadãos" e 14 colaboradores de meios de comunicação social.

Entre os jornalistas presos há cinco mulheres e um estrangeiro, o iraquiano Mohammed Rasoil, detido na Turqiua a 27 de agosto e acusado de terrorismo por ter participado numa investigação jornalística sobre a questão curda na fronteira síria.

O caso da Turquia causa preocupação aos RSF, que referem que "a espiral repressiva" voltou a colocar o país "entre as cinco maiores prisões do mundo para jornalistas", havendo nove profissionais detidos.

O balanço divulgado hoje pelos RSF inclui ainda oito jornalistas desaparecidos, categoria que abrange os repórteres cujo paradeiro se desconhece, não havendo, porém, indícios suficientes para determinar que foram sequestrados ou mortos.

A associação revelará no dia 28 de dezembro o relatório final sobre os jornalistas assassinados este ano.

Lusa

  • "Há uma grande diferença em relação à anterior liderança do PSD"
    14:29

    País

    O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, esteve esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. As novas relações com o PSD e a reprogramação do Portugal 2020 foram alguns dos temas de conversa. Pedro Marques defende que existe "uma grande diferença" entre as lideranças de Passos Coelho e Rui Rio no PSD.

    Entrevista SIC Notícias

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

    Enviados SIC

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC

  • Casal mantinha filhos trancados sem comida

    Mundo

    Se pensava que só existia uma casa dos horrores, a da família Turpin, desengane-se. A polícia de Tucson, no estado norte-americano do Arizona, deteve na terça-feira um casal que mantinha os quatro filhos adotivos trancados em quartos separados.

    SIC

  • Pigcasso, a porca pintora que tem uma galeria de arte

    Mundo

    O nome sugere o talento da artista que vive na Cidade do Cabo, na África do Sul. Pigcasso estava prestes a morrer, quando foi resgatada por uma ativista que a ajudou a enveredar pelo caminho da pintura. Desde pequena começou a pegar em pincéis e agora é o primeiro animal do mundo com uma galeria de arte, onde já lançou a sua primeira exposição intitulada 'Oink!'.