sicnot

Perfil

Mundo

Nova Iorque também recebeu ameaça contra escolas mas polícia avaliou como "pouco credível"

As escolas de Nova Iorque também foram hoje alvo de uma ameaça, como aquela que visou os estabelecimentos de ensino de Los Angeles, mas as autoridades nova-iorquinas avaliaram a ameaça como "pouco credível".

© Adrees Latif / Reuters

O chefe da polícia nova-iorquina, Bill Bratton, indicou que a ameaça, enviada através de correio eletrónico, era "quase idêntica" à mensagem recebida pelas autoridades da cidade de Los Angeles (Califórnia).

Mas "não a vimos como uma ameaça terrorista credível", disse Bill Bratton, numa conferência de imprensa.

"Não existe qualquer ameaça credível contra as nossas crianças, estamos absolutamente confiantes de que as nossas escolas estão em segurança", afirmou o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, na mesma conferência de imprensa.

As escolas nova-iorquinas permaneciam hoje abertas.

Em Los Angeles, todas as escolas públicas foram hoje encerradas após uma "ameaça credível" enviada por via eletrónica, segundo indicaram a polícia e a entidade administrativa escolar daquela zona, localizada não muito longe de San Bernardino, onde ocorreu um tiroteio a 02 de dezembro que provocou 14 mortos.

"Hoje de manhã cedo, recebemos uma ameaça por via eletrónica que se refere à segurança das nossas escolas", afirmou em conferência de imprensa Steven Zipperman, chefe da polícia Los Angeles, citado pela agência France Presse.

A polícia de Los Angeles, bem como a polícia federal norte-americana (FBI), "foram informados e esta ameaça está a ser analisada", indicou o representante.

"Num gesto de prudência, optámos por encerrar hoje as nossas escolas até que possamos ter a certeza absoluta de que todas as escolas estão seguras", acrescentou.

O sistema educativo de Los Angeles é frequentado por cerca de 640 mil alunos.

"Trata-se de uma vasta ameaça, não contra uma escola, duas ou três escolas. Visava várias escolas, que não foram especificamente identificadas", indicou o responsável pela entidade administrativa escolar de Los Angeles, Ramon Cortines, na mesma conferência de imprensa.

Ramon Cortines reconheceu que já recebeu ameaças em outras ocasiões, afirmando, no entanto, que desta vez era "uma ameaça diferente" que mencionava, por exemplo, "mochilas".

Questionado pelos jornalistas sobre a decisão de encerrar todas as escolas neste caso específico, o responsável mencionou o ataque em San Bernardino, a cerca de uma hora de Los Angeles, onde um casal radicalizado matou 14 pessoas e feriu outras 22, bem como os recentes acontecimentos internacionais.

"Não vamos arriscar a vida de nenhum estudante", concluiu.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.