sicnot

Perfil

Mundo

Nova Iorque também recebeu ameaça contra escolas mas polícia avaliou como "pouco credível"

As escolas de Nova Iorque também foram hoje alvo de uma ameaça, como aquela que visou os estabelecimentos de ensino de Los Angeles, mas as autoridades nova-iorquinas avaliaram a ameaça como "pouco credível".

© Adrees Latif / Reuters

O chefe da polícia nova-iorquina, Bill Bratton, indicou que a ameaça, enviada através de correio eletrónico, era "quase idêntica" à mensagem recebida pelas autoridades da cidade de Los Angeles (Califórnia).

Mas "não a vimos como uma ameaça terrorista credível", disse Bill Bratton, numa conferência de imprensa.

"Não existe qualquer ameaça credível contra as nossas crianças, estamos absolutamente confiantes de que as nossas escolas estão em segurança", afirmou o presidente da câmara de Nova Iorque, Bill de Blasio, na mesma conferência de imprensa.

As escolas nova-iorquinas permaneciam hoje abertas.

Em Los Angeles, todas as escolas públicas foram hoje encerradas após uma "ameaça credível" enviada por via eletrónica, segundo indicaram a polícia e a entidade administrativa escolar daquela zona, localizada não muito longe de San Bernardino, onde ocorreu um tiroteio a 02 de dezembro que provocou 14 mortos.

"Hoje de manhã cedo, recebemos uma ameaça por via eletrónica que se refere à segurança das nossas escolas", afirmou em conferência de imprensa Steven Zipperman, chefe da polícia Los Angeles, citado pela agência France Presse.

A polícia de Los Angeles, bem como a polícia federal norte-americana (FBI), "foram informados e esta ameaça está a ser analisada", indicou o representante.

"Num gesto de prudência, optámos por encerrar hoje as nossas escolas até que possamos ter a certeza absoluta de que todas as escolas estão seguras", acrescentou.

O sistema educativo de Los Angeles é frequentado por cerca de 640 mil alunos.

"Trata-se de uma vasta ameaça, não contra uma escola, duas ou três escolas. Visava várias escolas, que não foram especificamente identificadas", indicou o responsável pela entidade administrativa escolar de Los Angeles, Ramon Cortines, na mesma conferência de imprensa.

Ramon Cortines reconheceu que já recebeu ameaças em outras ocasiões, afirmando, no entanto, que desta vez era "uma ameaça diferente" que mencionava, por exemplo, "mochilas".

Questionado pelos jornalistas sobre a decisão de encerrar todas as escolas neste caso específico, o responsável mencionou o ataque em San Bernardino, a cerca de uma hora de Los Angeles, onde um casal radicalizado matou 14 pessoas e feriu outras 22, bem como os recentes acontecimentos internacionais.

"Não vamos arriscar a vida de nenhum estudante", concluiu.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.