sicnot

Perfil

Mundo

ONU denuncia detenções arbitrárias em Cuba

As Nações Unidas denunciaram hoje que mais de 1.500 pessoas foram detidas em Cuba de forma arbitrária durante as primeiras semanas de dezembro.

© Enrique de la Osa / Reuters

A organização internacional precisou que muitas das detenções registadas na ilha caribenha foram feitas sem ordem judicial e antes de determinadas reuniões ou manifestações.

"Observou-se um aumento do número de detenções (...) algumas são de curta duração e a pessoa é libertada após algumas horas ou dias, mas este tipo de detenção é uma mensagem intimidatória para os defensores dos direitos humanos e para os ativistas da sociedade civil", afirmou a porta-voz do gabinete de direitos humanos da ONU, Cécile Pouilly, em declarações à comunicação social.

A representante recordou que as Nações Unidas já tinham contabilizado, em novembro último, algumas centenas de detenções no território cubano.

Num comunicado hoje divulgado, o alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, o jordano Zeid Ra'ad Al Hussein, também expressou a sua preocupação face ao "número extremamente elevado de detenções arbitrárias e de detenções de curto prazo" das últimas semanas.

Esta situação, segundo descreveu o alto-comissário, representa "assédio" e evidencia o objetivo "de impedir as pessoas de exercerem o direito de liberdade de expressão e de reunião".

Por falta de autorização, o gabinete de direitos humanos da ONU não está presente em Cuba, mas "tem contactos no terreno e trabalha com organizações da sociedade civil" locais, afirmou ainda Cécile Pouilly.

No passado dia 10 de dezembro, a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN) denunciou que mais de uma centena de dissidentes tinham sido detidos em toda a ilha para evitar manifestações no Dia Internacional dos Direitos Humanos (assinalado no dia 10).

Em todo o território cubano ter-se-ão registado "entre 150 a 200" detenções de dissidentes, muitos dos quais eram, há vários dias, "assediados" nas suas casas, afirmou então o ativista Elizardo Sánchez, líder da CCDHRN, que contabiliza as detenções por motivos políticos em Cuba.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".