sicnot

Perfil

Mundo

ONU denuncia detenções arbitrárias em Cuba

As Nações Unidas denunciaram hoje que mais de 1.500 pessoas foram detidas em Cuba de forma arbitrária durante as primeiras semanas de dezembro.

© Enrique de la Osa / Reuters

A organização internacional precisou que muitas das detenções registadas na ilha caribenha foram feitas sem ordem judicial e antes de determinadas reuniões ou manifestações.

"Observou-se um aumento do número de detenções (...) algumas são de curta duração e a pessoa é libertada após algumas horas ou dias, mas este tipo de detenção é uma mensagem intimidatória para os defensores dos direitos humanos e para os ativistas da sociedade civil", afirmou a porta-voz do gabinete de direitos humanos da ONU, Cécile Pouilly, em declarações à comunicação social.

A representante recordou que as Nações Unidas já tinham contabilizado, em novembro último, algumas centenas de detenções no território cubano.

Num comunicado hoje divulgado, o alto-comissário da ONU para os Direitos Humanos, o jordano Zeid Ra'ad Al Hussein, também expressou a sua preocupação face ao "número extremamente elevado de detenções arbitrárias e de detenções de curto prazo" das últimas semanas.

Esta situação, segundo descreveu o alto-comissário, representa "assédio" e evidencia o objetivo "de impedir as pessoas de exercerem o direito de liberdade de expressão e de reunião".

Por falta de autorização, o gabinete de direitos humanos da ONU não está presente em Cuba, mas "tem contactos no terreno e trabalha com organizações da sociedade civil" locais, afirmou ainda Cécile Pouilly.

No passado dia 10 de dezembro, a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional (CCDHRN) denunciou que mais de uma centena de dissidentes tinham sido detidos em toda a ilha para evitar manifestações no Dia Internacional dos Direitos Humanos (assinalado no dia 10).

Em todo o território cubano ter-se-ão registado "entre 150 a 200" detenções de dissidentes, muitos dos quais eram, há vários dias, "assediados" nas suas casas, afirmou então o ativista Elizardo Sánchez, líder da CCDHRN, que contabiliza as detenções por motivos políticos em Cuba.

Lusa

  • O mais sério aviso de Marcelo Rebelo de Sousa ao Governo
    3:15
  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • O sorriso de Jorge Jesus quando soube que o símbolo da Juventus mudou
    1:21

    Desporto

    A Juventus surpreendeu grande parte do mundo do futebol quando alterou completamente o emblema. Agora, o símbolo faz lembrar as iniciais do nome do treinador do Sporting. Jorge Jesus não sabia, mas ficou esta terça-feira a saber e parece ter gostado. O técnico de Alvalade regressa quarta-feira ao estádio da equipa italiana, que conhece muito bem.