sicnot

Perfil

Mundo

Número de execuções nos EUA foi o mais baixo dos últimos 16 anos

Os Estados Unidos executaram este ano 28 pessoas, o número mais baixo dos últimos 16 anos, dados que refletem uma mudança de mentalidades e dão esperança aos defensores da abolição da pena de morte, segundo um relatório hoje divulgado.

O relatório anual elaborado pelo Centro de Informação da Pena de Morte (DPIC, na sigla em inglês) destacou que o decréscimo do uso da pena capital nos Estados Unidos é verificável através de vários ângulos de análise.

Apenas seis Estados norte-americanos -- entre os 31 que ainda aplicam a pena de morte -- concretizaram a execução de condenados.

Entre 2014 e 2015, o número de execuções desceu 20%, de 35 para 28 casos. E só três Estados concentraram 86% das execuções: Texas (13), Missouri (6) e Geórgia (5).

As condenações à pena de morte também registaram uma diminuição acentuada este ano: até dia 15 de dezembro, os tribunais norte-americanos condenaram à pena capital um total de 49 acusados, um decréscimo de 33% em comparação com 2014.

É também o número mais baixo desde o início da década de 1970, quando o Supremo Tribunal dos Estados Unidos suspendeu temporariamente a pena de morte.

"Estes não são apenas dados estatísticos anuais. Refletem uma ampla mudança de mentalidades sobre a pena de morte em todo o país", referiu o diretor do DPIC, Robert Dunham.

O centro norte-americano reúne todos os dados disponíveis sobre a pena de morte, mas não toma posição sobre a aplicação da pena capital.

Um dos fatores que pode explicar esta tendência de decréscimo é a escassez dos produtos utilizados nas injeções letais. Várias empresas farmacêuticas, a maioria europeias, têm recusado o fornecimento aos Estados Unidos destas substâncias mortais.

Durante o ano passado, vários Estados norte-americanos também decidiram suspender a aplicação da sentença de morte depois de alguns casos de execuções "falhadas".

Estes casos chocaram a opinião pública norte-americana, uma vez que os condenados estavam longos momentos em agonia e sofrimento, numa clara violação da oitava emenda da Constituição norte-americana que proíbe a aplicação de "penas cruéis e invulgares".

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC