sicnot

Perfil

Mundo

Um morto e 20 desaparecidos em colapso de mina em Myanmar

Uma pessoa morreu e outras 20 continuam desaparecidas após o desmoronamento de uma mina em Myanmar quando procuravam jade, na mesma zona onde no mês passado uma avalancha similar causou 114 mortos e deixou soterradas dezenas de cabanas.

arquivo reuters

O incidente ocorreu na segunda-feira na mina de Tun Tauk Zabu, na área de Hpakant, cidade do estado de Kachin (nordeste) situada a cerca de 650 quilómetros a norte de Naypyidaw, a capital do país.

As equipas de resgate têm dificuldades em localizar os desaparecidos por temerem novos deslizamentos de terra na montanha de escombros.

O acidente do passado 21 de novembro também ocorreu na zona de Hpakant, quando um deslizamento de terra de pelo menos 80 metros caiu sobre cerca de 70 cabanas onde viviam os trabalhadores da mina de jade.

Quando foram suspensas as operações de busca, as equipas de resgate tinham encontrado 114 cadáveres e cerca de 100 pessoas permaneciam desaparecidas.

A remota Hpakant situa-se numa zona montanhosa onde proliferam as minas de jade.

A Birmânia é o maior produtor mundial de jadeíte, uma variedade de jade sobretudo extraída nas montanhas de Kachin, estado onde o exército combate desde 2011 a guerrilha da minoria kachin.

A Global Witness denunciou no mês passado num relatório as situações precárias em que trabalham os trabalhadores nas minas de jade, exploradas, entre outros, por senhores da guerra, narcotraficantes e generais da antiga junta militar.

Segundo esta ONG, o comércio desta indústria vale cerca de 31 mil milhões de dólares (cerca de 27.800 milhões de euros), metade do PIB birmanês, e a maior parte das exportações vão para a China.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18