sicnot

Perfil

Mundo

Taiwan agradece aos Estados Unidos pela venda de armas

Taiwan agradeceu hoje aos Estados Unidos da América pelo anúncio da venda à ilha de um conjunto de equipamentos militares, através de um comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros taiwanês, apesar da forte oposição mostrada por Pequim.

© Pichi Chuang / Reuters

As autoridades de Taipei expressaram o seu "sincero e grande" apreço pela autorização enviada na quarta-feira pelo Governo norte-americano ao Congresso para que o negócio seja consumado.

A transação, avaliada em 1,8 mil milhões de dólares (cerca de 1,668 mil milhões de euros) inclui duas fragatas de mísseis guiados, mísseis antitanque, veículos de assalto anfíbios e outro equipamento militar.

O mesmo comunicado revela que nos últimos anos foram realizadas quatro transações do género entre os EUA e Taiwan, num valor total de 20 mil milhões de dólares.

O volume e a frequência das vendas de armamento manifestam o compromisso de Washington com a defesa da ilha e "demonstram que as relações entre os EUA e Taiwan atravessam o seu melhor momento", lê-se na mesma nota.

Para Taipei, a compra de armas aos EUA não se trata de um obstáculo aos seus laços com o continente chinês, mas antes de uma ajuda à "manutenção da paz e estabilidade no estreito da Formosa" e "no reforço" da confiança de Taiwan "para participar no diálogo" com Pequim.

Entretanto, a China convocou hoje o encarregado de negócios da embaixada norte-americana em Pequim para protestar contra a decisão de Washington.

"A China opõe-se resolutamente à venda de armas a Taiwan", informou o ministro dos Negócios Estrangeiros, acrescentando que o país irá impor sanções contra qualquer empresa envolvida no negócio.

O acordo surge num período em que as relações entre o continente chinês e Taiwan são consideradas as melhores de sempre, mas também de crescente preocupação de Washington com a assertividade da política chinesa nas disputadas águas do Mar do Sul da China.

Na prática, Taiwan funciona como uma entidade política soberana, com o seu próprio exército e Constituição, mas Pequim vê a ilha como parte integrante do seu território e ameaça "usar a força" se houver uma declaração de independência.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.