sicnot

Perfil

Mundo

Taiwan agradece aos Estados Unidos pela venda de armas

Taiwan agradeceu hoje aos Estados Unidos da América pelo anúncio da venda à ilha de um conjunto de equipamentos militares, através de um comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros taiwanês, apesar da forte oposição mostrada por Pequim.

© Pichi Chuang / Reuters

As autoridades de Taipei expressaram o seu "sincero e grande" apreço pela autorização enviada na quarta-feira pelo Governo norte-americano ao Congresso para que o negócio seja consumado.

A transação, avaliada em 1,8 mil milhões de dólares (cerca de 1,668 mil milhões de euros) inclui duas fragatas de mísseis guiados, mísseis antitanque, veículos de assalto anfíbios e outro equipamento militar.

O mesmo comunicado revela que nos últimos anos foram realizadas quatro transações do género entre os EUA e Taiwan, num valor total de 20 mil milhões de dólares.

O volume e a frequência das vendas de armamento manifestam o compromisso de Washington com a defesa da ilha e "demonstram que as relações entre os EUA e Taiwan atravessam o seu melhor momento", lê-se na mesma nota.

Para Taipei, a compra de armas aos EUA não se trata de um obstáculo aos seus laços com o continente chinês, mas antes de uma ajuda à "manutenção da paz e estabilidade no estreito da Formosa" e "no reforço" da confiança de Taiwan "para participar no diálogo" com Pequim.

Entretanto, a China convocou hoje o encarregado de negócios da embaixada norte-americana em Pequim para protestar contra a decisão de Washington.

"A China opõe-se resolutamente à venda de armas a Taiwan", informou o ministro dos Negócios Estrangeiros, acrescentando que o país irá impor sanções contra qualquer empresa envolvida no negócio.

O acordo surge num período em que as relações entre o continente chinês e Taiwan são consideradas as melhores de sempre, mas também de crescente preocupação de Washington com a assertividade da política chinesa nas disputadas águas do Mar do Sul da China.

Na prática, Taiwan funciona como uma entidade política soberana, com o seu próprio exército e Constituição, mas Pequim vê a ilha como parte integrante do seu território e ameaça "usar a força" se houver uma declaração de independência.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.