sicnot

Perfil

Mundo

Tufão Melor faz pelo menos 14 mortos nas Filipinas

Pelo menos 14 pessoas morreram à passagem do tufão Melor pelo centro das Filipinas, que causou elevados prejuízos na zona com ventos de até 185 quilómetros por hora e chuva intensa durante dois dias.

© CHARLIE SACEDA / Reuters

O Conselho de Gestão e Redução de Risco de Desastres do país anunciou, no seu mais recente relatório, que oito pessoas morreram e 12 ficaram feridas.

No entanto, as autoridades locais das províncias afetadas indicaram que mais seis pessoas perderam a vida nas cheias e inundações causadas pelo Melor.

Batizado "Nona" pelas autoridades locais, o Melor estava hoje a afastar-se da costa nordeste das Filipinas.

O tufão causou graves prejuízos nas habitações, infraestruturas e plantações agrícolas.

Segundo o Conselho de Gestão e Redução de Risco de Desastres, cerca de 109 mil casas sofreram danos e 12 mil famílias (cerca de 60 mil pessoas) continuavam em centros de abrigo.

Além disso, duas cidades e 38 municípios das regiões afetadas continuavam sem eletricidade e só a deverão recuperar dentro de seis dias, quando a rede elétrica for reparada.

Entretanto, as autoridades filipinas preveem a chegada do ciclone tropical Onyok, que se aproxima da região de Mindanao com ventos de até 55 quilómetros por hora.

A Agência Meteorológica das Filipinas espera que o Onyok, que se encontra a cerca de 600 quilómetros da costa filipina, toque terra na sexta-feira e cause chuvas fortes.

Entre 15 e 20 tufões atingem anualmente as Filipinas durante a época das chuvas, que decorre habitualmente entre junho e novembro.

Lusa

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.