sicnot

Perfil

Mundo

Luaty Beirão considera prisão domiciliária um ganho por poder ver a filha

O ativista luso-angolano Luaty Beirão, detido desde junho em Luanda, e que hoje passa ao regime de prisão domiciliária, considera a nova medida de coação "um grande ganho" por poder ver a filha depois de seis meses.

SIC

O 'rapper' e ativista de direitos humanos luso-angolano integra um grupo de 17 arguidos acusados de atos preparatórios de rebelião e de atentado contra o Presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

Em declarações à agência Lusa, Luaty Beirão referiu que é sempre melhor poder estar ao pé da família, sobretudo poder estar com a filha que não vê há seis meses.

O juiz Januário Domingos ordenou hoje a emissão de mandados de condução dos réus, devendo ainda hoje os 15 ativistas detidos - duas respondem em liberdade provisória - seguir para as residências declaradas em tribunal para a aplicação do regime de prisão domiciliária.

Do tribunal, os réus seguiram para o Hospital Cadeia de São Paulo, onde os familiares aguardavam para seguirem para as respetivas residências, em ambiente festivo.

Para Mónica Almeida, mulher de Luaty Beirão, não é uma medida "má de todo", mas na sua opinião terá de ser reajustada pelas condições do país e de cada um dos reclusos, especificamente.

"Fico parcialmente satisfeita só de saber que numa época festiva ele estará perto de nós, mas não deixa de ser preocupante, porque ele ainda continuará preso, dentro de casa e com as limitações que implicam a nova medida de coação", disse à Lusa Mónica Almeida.

A alteração da condição carcerária dos 15 ativistas deve-se à entrada em vigor hoje da nova Lei das Medidas Cautelares em Processo Penal.

Em declarações à imprensa, o porta-voz dos Serviços Prisionais, Menezes Cassoma, garantiu que estão criadas condições para a execução da nova medida de coação, que será assegurada no caso por mais de 150 efetivos dos serviços prisionais e da polícia.

Menezes Cassoma frisou que reabilitadores e psicólogos integram o grupo dos serviços prisionais, em colaboração com a polícia, para o acompanhamento dos réus.

"Esta custódia será feita 24/24 (horas), ao redor da residência, sendo a entrada ao domicílio feita apenas com autorização do tribunal ou do proprietário do domicílio, o que não impede o reeducador de duas em duas horas entrar em contacto com o recluso no intuito de saber como é que ele está", frisou.

O responsável disse que não serão ainda usadas pulseiras eletrónicas, mas está tudo acautelado para que mal haja sejam usadas.

Questionado se os réus podem receber visitas, Menezes Cassoma referiu que apenas os proibidos pelo tribunal não podem manter contacto com os mesmos.

Lusa

  • Principais factos da acusação no caso BPN dados como provados

    País

    O coletivo de juízes responsável pelo julgamento do processo principal do caso BPN, liderado por Luis Ribeiro, deu início à leitura do acórdão pelas 10:30, com quatro arguidos ausentes do tribunal, entre os quais Oliveira Costa. Os principais factos da acusação são dados como provados, mas a leitura deverá demorar algumas horas

  • Autódromo do Estoril está ilegal há 45 anos

    Desporto

    De acordo com o Público este equipamento desportivo, inaugurado na década de 70, não tem licença de construção nem de utilização. Uma notícia que apanhou de surpresa o executivo camarário de Cascais, liderado por Carlos Carreiras.

  • Seca na Bacia do Sado exige restrições ao uso da água no Alentejo

    País

    A Agência Portuguesa do Ambiente aprovou hoje um conjunto de medidas para gestão dos recursos hídricos, definindo medidas específicas para a bacia hidrográfica do Sado, a única que se encontra em situação de seca. Além da diminuição de regas em hortas e jardins, a APA recomenda o encerramento das fontes decorativas, a proibição de encher piscinas e de lavagem de automóveis.

  • Sérgio Monteiro diz que proposta da Lone Star era a única viável
    0:35

    Economia

    Sérgio Monteiro diz que a proposta da Lone Star para comprar o Novo Banco era a única viável. Ouvido no Parlamento e em resposta ao PSD, o consultor que trabalhou com o Banco de Portugal durante o processo admite, no entanto, que há uma condição que pode inviabilizar o negócio.