sicnot

Perfil

Mundo

Operação do Governo turco contra o PKK causa 63 mortos em quatro dias

O Governo turco lançou uma vasta operação contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK, na sigla em turco), que causou, em quatro dias, a morte a, pelo menos, 62 rebeldes e um soldado governamental, segundo os militares.

© Sertac Kayar / Reuters

O Estado-Maior turco anunciou hoje, em comunicado colocado na sua página na Internet, que 62 "terroristas" foram "neutralizados", dos quais 56 no distrito de Cizre e seis outros no de Silopi, ambos situados na província de Sirnak, no sudeste, entre terça e quinta-feira.

O soldado turco foi morto hoje em Cizre, acrescentou aquela fonte, avançando que uma operação com polícias e militares, de dimensão inédita, lançada no início da semana, permanece em curso.

Cerca de 10 mil militares e polícias e numerosos carros de combate foram deslocados para Cizre e Silopi, segundo os meios de comunicação, para desalojar jovens apoiantes do PKK, que transformaram quarteirões inteiros em zona de guerra, erigindo barricadas e cavando trincheiras.

Ao fim de dois anos de cessar-fogo, combates mortíferos recomeçaram em 2014 entre as forças turcas e as do PKK, acabando com as negociações de paz iniciadas no final de 2012 para procurar terminar com um conflito que já provocou mais de 40 mil mortos desde 1984.

Mas às tradicionais emboscadas em zonas rurais e montanhosas, os curdos estão a privilegiar os combates em zonas urbanas, na esperança de suscitar levantamentos, uma estratégia pouco compensadora até agora.

O método das autoridades turcas consiste em decretar um rigoroso recolher obrigatório antes do envio de soldados e polícias.

Um responsável governamental turco disse à AFP que os militantes do PKK tinham melhorado as suas competências em matéria de guerrilha urbana, graças ao combate que têm feito ao grupo que se designa por Estado Islâmico, no norte da Síria.

Lusa

  • Descobertos fósseis que podem provar existência de vida em Marte

    Mundo

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá. As descobertas coincidem no tempo com a altura em que Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, o que levanta questões sobre a hipótese de vida extraterrestre.

  • As polémicas declarações de João Braga sobre os Óscares

    País

    A Associação SOS Racismo reagiu esta quarta-feira às palavras do fadista João Braga na sua página no Facebook, sobre a cerimónia de entrega dos Óscares, e disse esperar que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial atue de forma exemplar face.

  • "Apelamos ao debate e somos criticados? Então m...."
    0:52
  • Oprah admite candidatar-se à Presidência dos EUA

    Mundo

    A apresentadora norte-americana Oprah Winfrey admitiu, numa entrevista, que a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de novembro a fez considerar a possibilidade de entrar na corrida à Casa Branca.

  • Temperaturas recorde no "último lugar da Terra"

    Mundo

    A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou esta quarta-feira que se registaram nos últimos 37 anos temperaturas altas recorde na Antártida, num local que foi descrito como "o último lugar da Terra".