sicnot

Perfil

Mundo

Papa aprova canonização de madre Teresa de Calcutá

O papa Francisco assinou na quinta-feira o decreto que autoriza a canonização da madre Teresa de Calcutá, que vai subir aos altares como santa em setembro, informou o diário católico Avvenire.

O jornal informou que a canonização da beata Teresa de Calcutá será pública em fevereiro, durante o Consistório ordinário, e que será feita santa a 04 de setembro de 2016, no âmbito do Ano Santo Extraordinário da Misericórdia.

A sua canonização acontece depois de a Igreja Católica ter aprovado por unanimidade a "cura extraordinária" de um homem brasileiro em 2008, que se encontrava em fase terminal por graves problemas cerebrais.

O alegado milagre ocorreu em dezembro daquele ano, quando o doente, em coma, ia ser operado, mas devido a problemas técnicos a intervenção cirúrgica teve de ser adiada por meia hora.

Ao voltar à sala de operações, segundo o jornal Avvenire, o médico encontrou o doente sentado, desperto, perfeitamente consciente e a perguntar o que fazia ali.

O médico explicou durante a fase de estudo deste suposto milagre que "nunca viu um caso como este" e que todos os doentes com os mesmos problemas que já tinha tratado em 17 anos de profissão tinham morrido.

As análises sucessivas ao doente revelaram a cura da patologia cerebral num curto espaço de tempo e sem sequelas, pelo que o homem pôde retomar a sua vida e trabalho.

As provas testemunhais durante o processo de estudo do caso referem que as pessoas próximas do doente rezaram muito a Madre Teresa, de quem a respetiva esposa era especialmente devota.

Entretanto, a Ordem das Missionárias da Caridade celebrou hoje, a partir da cidade indiana de Calcutá, o anúncio de que a sua fundadora vai subir aos altares como santa no próximo mês de setembro.

"Estamos muito felizes e agradecidas. Soubemos da notícia esta manhã", disse à Efe a porta-voz da congregação em Calcutá, a irmã Christie.

Inés Gonxha Bojaxhiu, nome de Madre Teresa, nasceu a 26 de agosto de 1910 em Skopje, capital da atual república da Macedónia, no seio da comunidade albanesa, e foi beatificada em 2003 depois de o Vaticano ter reconhecido como um milagre a cura de um tumor no abdómen de uma mulher indiana depois de colocar um medalhão com uma foto da freira.

Durante meio século levou a cabo um trabalho social em Calcutá com as Missionárias da Caridade, a congregação que fundou depois de uma experiência mística e, em 1979, foi distinguida com o Nobel da Paz.

As Missionárias da Paz contam hoje com cerca de 4.500 religiosas que trabalham em mais de 130 países, onde têm 710 casas para assistir os mais pobres e doentes.

Madre Teresa de Calcutá morreu a 05 de setembro de 1997 aos 87 anos na sede das Missionárias da Caridade, onde morava.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.