sicnot

Perfil

Mundo

Israel responde com artilharia ao ataque de rockets pelo Líbano

O exército israelita anunciou hoje que atingiu com artilharia alvos não especificados no sul do Líbano, depois de rockets do país vizinho terem atingido o norte de Israel.

Reuters

Reuters

© Omar Sanadiki / Reuters

"As forças de defesa israelitas ripostaram com tiros de artilharia (...) depois de rockets oriundos do sul do Líbano atingirem em Israel", referiu o exército num comunicado.

A agência oficial libanesa relatou os disparos, a partir de Israel, de nove obuses de artilharia, sobre o sul do Líbano.

Hoje, "dois rockets Katyusha foram disparados de uma cidade do Líbano a cinco quilómetros da fronteira com Israel", disse uma fonte libanesa à agência de notícias AFP. Já o exército israelita informou que foram três 'rockets' que atingiram o país.

O lançamento dos rockets a partir do bastião do grupo rebelde Hezbollah, do sul do Líbano, aconteceu depois da morte de Samir Kantar, um militante do grupo xiita conhecido pelo assassinato de três israelitas.

O Hezbollah disse que Kantar foi morto num ataque aéreo israelita perto da capital da Síria, Damasco, na noite de sábado.

Não houve confirmação de que Israel seja responsável pela morte de Kantar.

Os membros do Hezbollah estão a lutar ao lado das forças do Presidente sírio, Bashar al-Assad, contra insurgentes que tentam derrubá-lo há quase cinco anos.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.