sicnot

Perfil

Mundo

Forças iraquianas entram na cidade de Ramadi ocupada pelo grupo extremista Estado Islâmico

As forças iraquianas entraram hoje no centro da cidade de Ramadi, que estava controlada desde maio pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), indicou um alto responsável pela segurança do regime de Bagdade.

© STRINGER Iraq / Reuters

"Entrámos no centro de Ramadi a partir de diversas frentes e começámos a purgar os bairros residenciais", declarou o porta-voz dos serviços de luta antiterrorista, Sabah al-Nomane.

"A cidade ficará «limpa» nas próximas 72 horas", acrescentou.

"Não enfrentamos muita resistência, apenas alguns 'snipers' (atiradores furtivos) e bombistas suicidas. Nada de que não estivéssemos à espera", sublinhou Nomane.

"Construímos pontes provisórias sobre o Eufrates e as nossas forças conseguiram atravessar o rio e entrar em áreas residenciais para garantir o acesso ao centro da cidade", afirmou à AFP um general brigadeiro iraquiano, que pediu anonimato.

O ataque das tropas iraquianas avançou de madrugada e conta com uma unidade de contraterrorismo de elite, apoiada pela aviação da coligação liderada pelos Estados Unidos, com a polícia local e vários elementos de diferentes tribos que se opõem aos 'jihadistas'.

O EI tem perdido várias cidades chave no Iraque desde que forças governamentais e combatentes curdos começaram a responder à ofensiva iniciada pelo grupo extremista há 18 meses e que resultou na ocupação de vastas áreas do Iraque e da Síria.

Se a reconquista de Ramadi, um bastião do EI, for concretizada será a mais significativa vitória das forças armadas iraquianas, que foram acusadas de fugir sem dar luta ao avanço do EI.

Desde que tomaram Ramadi a 17 de maio, os 'jihadistas' do EI construíram uma rede de "bunkers" subterrâneos, ligados por túneis.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.