sicnot

Perfil

Mundo

Chineses desenvolvem polígrafo com reconhecimento facial e inteligência artificial

Cientistas chineses desenvolveram um polígrafo que deteta mentiras utilizando tecnologias de reconhecimento facial e inteligência artificial, divulgou hoje a agência de notícias oficial chinesa Xinhua.

Fernando Vergara/AP arquivo

Os investigadores que criaram o polígrafo, da empresa chinesa Cloudwalk (associada à Academia Chinesa de Ciências) e da Universidade Jiaotong de Xangai, afirmam que o seu método é mais fiável que os polígrafos tradicionais, que se baseiam em medições da tensão sanguínea.

O novo detetor de mentiras tem em conta o sexo da pessoa, as suas expressões faciais, o pulso e características de voz através de uma câmara e um sensor que podem funcionar tanto de dia como de noite.

Também é equipado com cinco módulos de reconhecimento: facial, de voz, semântico, morfológico, físico, assim como outro de decisão inteligente.

Desse modo, o polígrafo realiza um estudo da pessoa e, graças à informação acumulada, o seu sistema de inteligência artificial permite analisar os pensamentos e sensações do observado.

"Os polígrafos tradicionais às vezes não funcionam com as pessoas que receberam treino profissional" para mentir, disse Zhou Xi, conselheiro delegado da Cloudwalk e um dos responsáveis do desenvolvimento do dispositivo, em declarações à Xinhua.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48