sicnot

Perfil

Mundo

EUA alertam para "possíveis ameaças" contra ocidentais em Pequim

galeria de fotos

Pequim decretou hoje o alerta amarelo de segurança para o período natalício, depois da embaixada dos EUA ter emitido um comunicado sobre "possíveis ameaças" contra "ocidentais" no bairro de Sanlitun, centro de diversão noturna da capital.

Pequim decreta alerta amarelo de segurança e reforça vigilância policial.

Pequim decreta alerta amarelo de segurança e reforça vigilância policial.

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

© Jason Lee / Reuters

"Apela-se aos cidadãos norte-americanos que reforcem a vigilância", lê-se no comunicado, reproduzido mais tarde pelas embaixadas de vários países europeus.

O alerta amarelo é o segundo mais alto de um sistema de cores que inclui ainda o verde, laranja e vermelho, por ordem progressiva.

A meio da tarde, o acesso às ruas no bairro diplomático - adjacente a Sanlitun - estava restrito a veículos oficiais, segundo confirmou à Lusa fonte de uma embaixada.

Já em alguns bairros com maior incidência de residentes estrangeiros, a polícia ocorreu a verificar o formulário de registo na esquadra local - um documento obrigatório para todos os estrangeiros a viver em Pequim.

Contactado pela Lusa, o dono de um estabelecimento noturno na capital chinesa disse ter recebido a visita de um polícia, que questionou quantos clientes são esperados na noite de hoje.

"As autoridades chinesas farão tudo ao seu alcance para garantir a segurança dos cidadãos chineses e estrangeiros na China", afirmou em conferência de imprensa um porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

Ao início da tarde, várias embaixadas levantaram barricadas em frente aos seus portões de acesso.

Três membros das forças de segurança, armados com carabinas, vigiavam o local onde há quatro meses um jovem matou uma mulher chinesa, que estava acompanhada do namorado natural de França, na área comercial The Village, com uma espada japonesa.

Segundo a agência oficial chinesa Xinhua, "todos os supermercados e centros comerciais, médios ou grandes", terão vigilância policial reforçada.

Até ao momento, as autoridades não avançaram com os motivos para o alerta.

Apesar de um ataque suicida ter provocado cinco mortos na praça de Tiananmen, em outubro de 2013, incidentes do género, ou qualquer tipo de crime violento, são raros na capital chinesa.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.