sicnot

Perfil

Mundo

Japão investiga informações sobre alegado rapto de jornalista na Síria

O governo do Japão disse hoje que estava a investigar o alegado rapto de um jornalista japonesa na Síria por um grupo armado, depois de dois repórteres nipónicos terem sido decapitados no início do ano.

© Toru Hanai / Reuters

A organização internacional Repórteres Sem Fronteiras disse que Jumpei Yasuda, um jornalista freelance foi raptado em julho quando atravessou a fronteira do país e que continuava desde então refém do grupo, cujo nome não foi revelado.

Questionado sobre o assunto num encontro com a imprensa, o ministro-porta-voz do Executivo nipónico, Yoshihide Suga, escusou-se a confirmar a informação, mas sublinhou que o governo tinha o dever de garantir a segurança dos cidadãos japoneses e que estava a recorrer a vários canais, sem, contudo, avançar detalhes.

No início deste mês, o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, criou uma nova unidade para recolher e analisar informação sobre o terrorismo global focada em quatro áreas, incluindo o Médio Oriente.

A RSF disse na terça-feira que o grupo armado tinha começado uma contagem decrescente para o pagamento de um resgate pela libertação de Jumpei Yasuda, "sob pena de o executarem ou vender para outro grupo terrorista".

Num vídeo divulgado em janeiro, militantes do grupo radical Estado Islâmico disseram que tinham decapitado o jornalista nipónico Kenji Goto, uma semana depois de o grupo também ter reivindicado a responsabilidade pela morte do também nipónico empresário Haruna Yukawa.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida