sicnot

Perfil

Mundo

Japão investiga informações sobre alegado rapto de jornalista na Síria

O governo do Japão disse hoje que estava a investigar o alegado rapto de um jornalista japonesa na Síria por um grupo armado, depois de dois repórteres nipónicos terem sido decapitados no início do ano.

© Toru Hanai / Reuters

A organização internacional Repórteres Sem Fronteiras disse que Jumpei Yasuda, um jornalista freelance foi raptado em julho quando atravessou a fronteira do país e que continuava desde então refém do grupo, cujo nome não foi revelado.

Questionado sobre o assunto num encontro com a imprensa, o ministro-porta-voz do Executivo nipónico, Yoshihide Suga, escusou-se a confirmar a informação, mas sublinhou que o governo tinha o dever de garantir a segurança dos cidadãos japoneses e que estava a recorrer a vários canais, sem, contudo, avançar detalhes.

No início deste mês, o primeiro-ministro nipónico, Shinzo Abe, criou uma nova unidade para recolher e analisar informação sobre o terrorismo global focada em quatro áreas, incluindo o Médio Oriente.

A RSF disse na terça-feira que o grupo armado tinha começado uma contagem decrescente para o pagamento de um resgate pela libertação de Jumpei Yasuda, "sob pena de o executarem ou vender para outro grupo terrorista".

Num vídeo divulgado em janeiro, militantes do grupo radical Estado Islâmico disseram que tinham decapitado o jornalista nipónico Kenji Goto, uma semana depois de o grupo também ter reivindicado a responsabilidade pela morte do também nipónico empresário Haruna Yukawa.

Lusa

  • Suspeito de atropelamento mortal fala de acidente 
    2:00

    País

    O interrogatório do suspeito do atropelamento mortal junto ao Estádio da Luz foi adiado para este sábado porque o Ministério Público solicitou uma nova diligência de reconhecimento. Luís Pina nega que tenha atropelado o italiano de forma intencional e defende que foi mero acidente.