sicnot

Perfil

Mundo

Síria "preparada" para participar nas negociações de paz em Genebra

A Síria está "preparada para participar" nas discussões para a paz, que deverão decorrer em janeiro sob a égide da ONU em Genebra, com vista a acabar com a guerra civil, anunciou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros sírio.

Walid Mualem, ministro dos Negócios Estrangeiros sírio.

Walid Mualem, ministro dos Negócios Estrangeiros sírio.

© Jason Lee / Reuters

"A Síria está preparada para participar no diálogo de Genebra inter-sírio, sem qualquer interferência estrangeira", esperando que isso ajude a formar "um governo de união nacional", afirmou em Pequim Walid Mualem durante uma conferência de imprensa, após um encontro com o seu homólogo chinês, Wang Yi.

Novas negociações de paz para a Síria vão realizar-se em Genebra, provavelmente em finais de janeiro, disse esta semana o diretor-geral da ONU Michael Moller.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou, na sexta-feira, uma resolução para lançar novamente negociações diplomáticas e pôr fim à guerra.

Com o apoio dos Estados Unidos e da Rússia, o plano aprovado pelo Conselho de Segurança da ONU pretende instalar um cessar-fogo na Síria, possivelmente em janeiro.

A guerra civil, que começou na Síria em março de 2011, já causou mais de um quarto de milhão de mortos, obrigou quase metade da população a deslocar-se e destruiu o tecido económico do país.

Desde 2011, qualquer projeto de resolução nessa instância era bloqueado pela Rússia, o principal aliado do regime de Bashar al-Assad.

A primeira tentativa de negociações, com várias rondas celebradas em Genebra no início do ano passado, terminou sem êxito.

Além de promover, como ponto mais urgente, o início de negociações entre delegações do regime e da oposição, política e armada, a resolução aprovada retoma a ideia de criação de um governo de transição. Esta ideia tinha sido definida em meados de 2012, mas nunca foi posta em prática.

O governo de transição deveria entrar em funções no prazo de seis meses e estabeleceria as bases para a realização de eleições nos 18 meses seguintes ao reinício do processo de negociações.

Este processo depara com muitas dificuldades uma vez que a oposição recusa qualquer transição com Al-Assad no poder. Por seu lado, o presidente da Síria recusa qualquer proposta que signifique abandonar o poder.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.