sicnot

Perfil

Mundo

Inundações no norte de Inglaterra obrigam à retirada de centenas de pessoas

As equipas de emergência britânicas continuam a retirar centenas de pessoas em várias zonas do norte de Inglaterra devido às fortes chuvadas que estão há vários dias a provocar inundações na região.

© Phil Noble / Reuters

A polícia britânica indicou hoje que foram retiradas entre 300 a 400 pessoas que residem próximo dos rios Ouse e Foss, na cidade de York, zona em que 3.500 casas estão em risco.

A chuva que tem caído incessantemente nos últimos dias no norte do país já motivou centenas de alertas de inundações, que permanecem em vigor, havendo cerca de três dezenas de alertas "severos", o que implica perigo de vida.

A gravidade da situação levou o primeiro-ministro britânico, David Cameron, a decidir ter uma reunião, através de conferência telefónica, com o Comité do Governo Cobra - que lida com assuntos de emergência -, para assegurar que tudo seja feito pelos afetados na região norte do país.

As autoridades de York indicaram hoje esperar que o nível do rio Ouse atinja os cinco metros, próximo do recorde de 5,40 metros.

A Agência de Proteção Ambiental escocesa emitiu, por seu lado, mais de 15 alertas de eventuais inundações, sobretudo nas áreas em redor de Tayside.

Segundo as previsões do Gabinete de Meteorologia britânico (Met Office), a chuva ao longo deverá continuar ao longo de todo o dia de hoje, embora já sem a intensidade de sábado, e foi emitido um "alerta amarelo" para as zonas geladas da Escócia.

Sábado, em Inglaterra, as áreas do condado de Greater Manchester, como Salford, Bolton, Bury, Rochdale ou Wigan, foram bastante afetadas pelas inundações e a polícia recebeu mais de 300 chamadas de emergência em 24 horas.

Mais de oito mil casas do noroeste de Inglaterra continuam sem eletricidade, que só deverá ser restaurada na manhã de segunda-feira, indicou a empresa energética "North West".

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.