sicnot

Perfil

Mundo

Genebra reduz nível de alerta terrorista

O cantão suíço de Genebra baixou o nível de alerta terrorista de "ameaça específica" para "ameaça difusa", segundo um comunicado divulgado hoje pelas autoridades cantonais.

© Ruben Sprich / Reuters

O nível, que tinha sido elevado a 10 de dezembro, regressa assim ao registado até essa data.

O nível de "ameaça específica" é o terceiro de uma escala de cinco.

A decisão foi tomada com base numa proposta da polícia cantonal, depois de reavaliada a situação após o Natal e de consultas com as autoridades federais da Suíça, segundo o Departamento de Segurança e Economia do cantão.

Por outro lado, segundo o texto, "todos os eventos recentes, de natureza diplomática, religiosa ou comercial, que foram considerados como potenciais alvos já terminaram".

O comunicado precisa que durante os 18 dias em que o nível de alerta foi de "ameaça específica" a polícia vigiou permanentemente locais considerados sensíveis e várias unidades suplementares foram mobilizadas para garantir a segurança em eventos específicos para poderem intervir rapidamente em caso de ataque específico.

Durante esse período de alerta as autoridades detiveram dois homens com passaportes sírios, em cujo automóvel foram detetados vestígios de explosivos.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.