sicnot

Perfil

Mundo

Itália resgata mais de 4 mil migrantes no fim de semana de natal

Mais de 4.000 migrantes foram resgatados no Canal da Sicília, no Mediterrâneo, durante o fim de semana de natal em várias operações conduzidas pela Marinha militar e a guarda costeira italianas, divulgaram hoje as autoridades locais.

(arquivo)

(arquivo)

Massimo Sestini

Entre sexta-feira e domingo, "mais de 3.000 pessoas foram resgatadas em 28 operações", referiu o comandante-geral da guarda costeira italiana, almirante Vincenzo Melone, num comunicado.

Hoje de manhã, um outro grupo de 931 migrantes chegou ao porto de Palermo (Sicília, sul de Itália) a bordo de um navio mercante norueguês.

Este grupo de migrantes -- 841 homens, 64 mulheres e 26 menores -- tinha sido resgatado nos últimos dias por embarcações da Marinha militar italiana ao largo da costa líbia, no âmbito das operações coordenadas pela agência europeia de controlo das fronteiras Frontex, indicou a comunicação social italiana.

Estes migrantes eram maioritariamente oriundos da África subsaariana, mas também existiam marroquinos, tunisinos e egípcios.

Ainda neste grupo estavam três alegados traficantes, várias vezes identificados como "passadores", que foram detidos pela polícia italiana. Os suspeitos eram oriundos do Gabão e da Somália.

Mais de 320 mil migrantes chegaram às costas italianas nos últimos dois anos.

Um milhão de migrantes chegou desde janeiro à Europa, na esmagadora maioria através do Mediterrâneo (972.000), naquele que é o maior fluxo migratório desde a Segunda Guerra Mundial, divulgaram recentemente a Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Em 2014, mais de 219.000 migrantes tinham atravessado o Mediterrâneo.

Na mesma altura, a OIM informou que 3.692 pessoas tinham morrido ou tinham sido dadas como desaparecidas no mar Mediterrâneo durante o corrente ano.

Lusa

  • Está a pensar ir à praia? Não se esqueça do guarda-chuva
    0:43
  • MP investiga ministro Siza Vieira, António Costa rejeita incompatibilidades
    2:12

    País

    O Ministério Público decidiu investigar o ministro Adjunto, Pedro Siza Vieira, por alegadas incompatibilidades. O governante criou uma empresa imobiliária um dia antes de tomar posse e manteve-se como gerente durante dois meses. A lei prevê a demissão, mas o primeiro-ministro já disse que se tratou apenas de um erro e o próprio ministro alega desconhecimento da lei.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.