sicnot

Perfil

Mundo

Presidente da Cantábria diz que fogos no norte de Espanha têm origem criminosa

Mais de 130 fogos continuam ativos em todo o norte de Espanha, sendo que a maioria dos incêndios são provocados "deliberadamente" por "delinquentes", disse o presidente da Cantábria.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

Miguel Pereira da Silva

Miguel Angél Revilla, presidente da região autónoma da Cantábria disse hoje aos jornalistas que "99 por cento" dos incêndios estão a ser provocados por "delinquentes e pirómanos" ou por "pessoas que acreditam que os fogos podem regenerar a terra".

Na Cantábria, mais de 400 bombeiros e militares estão hoje envolvidos no combate a 82 fogos que "estão a destruir zonas de alto valor ecológico e que estão a pôr em risco o património natural".

Além dos fogos na Cantábria, registam-se incêndios nas Astúrias, Galiza e País Basco.

O presidente da autonomia cantábria acrescentou que quando se começarem a sentir as primeiras chuvas, o "material vegetal queimado" pelos incêndios vai acabar nos rios afetando diretamente a fauna da região.

Os incêndios florestais já destruíram "mais de dois mil hectares" só na Cantábria, disse ainda Angél Revilla, que prevê o agravamento da situação devido às temperaturas altas, para esta época do ano, e sobretudo pelo vento sul "que nunca traz chuva".

Segundo as autoridades, as primeiras chuvas no norte de Espanha só vão fazer-se sentir na quinta-feira, dia 31 de dezembro, e podem vir a ajudar o combate aos incêndios nas regiões afetadas da Cantábria, Astúrias e País Basco.

Lusa

  • Outros casos de fuga de prisões portuguesas
    2:58

    País

    Nos últimos cinco anos, 52 reclusos fugiram de cadeias portuguesas, mas foram todos recapturados. Entre 1999 e 2009, fugiram oito reclusos da prisão de Caxias. Em 2005, um homem condenado a 21 anos de prisão fugiu de Coimbra, viajando por França e pela Polónia. Manuel Simões acabou por ser detido no regresso a Portugal.

  • Portugal sem resposta de Moçambique sobre português desaparecido em Maputo
    1:25

    País

    Portugal tem tentado, sem sucesso, obter respostas das autoridades moçambicanas sobre o rapto de um empresário português há sete meses. De acordo com a notícia avançada este domingo pelo jornal Público, uma carta enviada há duas semanas pelo Presidente da República ao homólogo moçambicano não teve resposta. O Governo de Moçambique tem ignorado pedidos de informação das autoridades portuguesas.

  • Donald Trump culpa imigrantes por ataque que nunca existiu
    1:01
  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.