sicnot

Perfil

Mundo

Três mortos e 43 feridos em motim numa cadeia venezuelana

Três pessoas morreram e pelo menos outras 43 ficaram feridas, entre elas um politólogo luso-venezuelano, durante um motim ocorrido hoje de manhã (tarde em Lisboa) numa cadeia venezuelana, situada a 150 quilómetros a sul da cidade de Caracas.

Segundo as rádios locais, o motim ocorreu no Centro de Reclusão para Processados Judiciais 26 de Julho, situado nas proximidades da Penitenciária Geral da Venezuela (a maior cadeia do Estado venezuelano de Guárico).

, o que teria originado, inicialmente, a ideia da existência de conflitos em dois cárceres.

Durante o motim, três pessoas morreram na sequência da explosão de uma granada, uma funcionária, um segurança e um detido e 43 ficaram feridas, entre eles 15 funcionários da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

Entre os feridos, segundo o advogado Alfredo Romero, porta-voz do Foro Penal Venezuelano, encontra-se o politólogo luso-venezuelano Vasco da Costa, que é tido como preso político por várias organizações não governamentais venezuelanas.

Entretanto, em declarações ao canal televisivo de notícias da Colômbia, NTN 24, Ana da Costa, irmã do politólogo, explicou que os presos decidiram manifestar-se em protesto por alegados maus tratos "e a Guarda decidiu disparar-lhes 'perdigones' (tiros de borracha) e lançar-lhes bombas de gás lacrimogéneo".

"Não temos podido vê-lo, só nos chamou para dizer que estava ferido e que estava a sangrar muito do braço direito", disse, a NTN 24.

Ana da Costa contou que a prisão é uma espécie de "armazém de supermercado, com uma edificação dentro, teto e grades de churrasqueira".

"Aí os agridem (fisicamente) e não lhes dão alimentos. Meu irmão tem 40 quilogramas menos (do que quando foi preso)", frisou.

A agência Lusa tentou, sem sucesso, contatar com vários familiares e amigos do luso-venezuelano.

De momento não existe nenhum comunicado oficial sobre os acontecimentos.

Filho de um antigo cônsul de Portugal, Vasco da Costa, 56 anos, foi detido a 24 de julho de 2014, e acusado de estar relacionado com uma farmacêutica que alegadamente estaria envolvida em planos para desenvolver engenhos explosivos caseiros, durante os violentos protestos que ocorreram no primeiro semestre de 2014, contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro.

Participou como candidato, nas eleições parlamentares de 06 de dezembro último, sem no entanto obter votos suficientes para ser eleito deputado.

A sua candidatura teve o apoio do partido Nova Ordem Social, presidido pela luso-venezuelana e ex-candidata presidencial Venezuela Portuguesa da Silva.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.