sicnot

Perfil

Mundo

Uma flor de quase dois metros e com cheiro a cadáver

Um exemplar da "flor-cadáver", uma planta de forma fálica de quase dois metros de altura e que liberta um odor parecido a carne putrefacta, floresceu num jardim botânico no sul da Austrália, informam hoje os media locais.

Milhares de curiosos dirigiram-se ao Jardim Botânico de Mt Lofty, na cidade de Adelaide, para contemplar a "bunga bangkai" ("flor cadáver" em indonésio), a qual tem o nome científico de "Amorphophallus titanum", atendendo a que só 80 exemplares floresceram no mundo nos últimos 30 anos.

"Os florescimentos são raros porque a planta é muito difícil de cultivar, incluindo em ótimas condições", disse Matt Coulter, um responsável do Jardim Botânico de Mt Lofty, citado pela agência local AAP.

"O facto de a flor e o seu característico odor durarem só 48 horas antes de colapsar é um evento obrigatório para os amantes das plantas e almas curiosas", disse o especialista.

A planta, que surgiu de uma semente doada em 2006, cresceu, em média, cerca de 20 centímetros por dia nas últimas semanas.

A "bunga bangkai" é originária das selvas tropicais de Samatra, na Indonésia, e encontra-se em perigo devido à deflorestação dos bosques onde cresce.

É identificável pela sua enorme 'espinha' amarela e pelo seu odor nauseabundo, que serve para atrair insetos polinizadores como as moscas que procuram cadáveres para depositar os seus ovos.

Descoberta por um botânico italiano, a espécie foi introduzida na Europa no fim do século XIX, tendo florido, pela primeira vez, em 1889, num jardim botânico de Londres, no Reino Unido.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras