sicnot

Perfil

Mundo

Coreia do Sul vai pôr em marcha programa de exploração lunar

A Coreia do Sul anunciou esta quarta-feira que vai pôr em marcha no próximo ano o seu programa de exploração lunar com o objetivo de lançar uma primeira sonda que aterre no satélite terrestre em 2020.

(Arquivo)

(Arquivo)

© NASA NASA / Reuters

A primeira fase do projeto, que vai ser levada a cabo até 2018, vai consistir em tarefas de investigação e no envio de um orbitador, com um orçamento de 197.800 milhões de won (157 milhões de euros), informou o Ministério da Ciência e Tecnologia de Seul, em comunicado.

A Coreia do Sul planeia desenvolver o orbitador e a sua estação terrestre de forma independente e com tecnologia própria, segundo o Ministério.

Apesar disso, Seul aspira colaborar mais com as agências aeroespaciais de outros países, como a norte-americana NASA.

A segunda fase do projeto incluirá o lançamento de um foguetão, também com tecnologia própria, o qual levará a bordo a sonda que aterraria na lua e um veículo de exploração não tripulado.

Em março do ano passado, a Coreia do Sul testou com êxito o motor da terceira etapa do seu próprio foguetão, o primeiro fabricado integralmente com tecnologia sul-coreana, o que representa um importante passo para o país asiático rumo ao seu objetivo de levar uma nave até à lua em 2020.

No início de 2013, a Coreia do Sul tornou-se no 13.º terceiro país a lançar, com êxito, para o Espaço um foguetão próprio, o Naro-1, e a colocar em órbita um satélite após duas tentativas falhadas em 2009 e 2010.

Contudo, aquele veículo espacial era apenas parcialmente de fabrico sul-coreano, já que a primeira parte foi construída no centro espacial russo Khrunichev.

Já a segunda foi produzida por um consórcio de 150 empresas sul-coreanas lideradas pelo Instituto Aeroespacial da Coreia do Sul.

Lusa

  • "Não há um verdadeiro debate democrático em Espanha"
    2:24
    Quadratura do Círculo

    Quadratura do Círculo

    QUINTA-FEIRA 23:00

    No Quadratura do Círculo desta quinta-feira, José Pacheco Pereira disse que este braço de ferro em território espanhol reforça a linha autoritária que existe em Espanha. Jorge Coelho considera que é urgente recorrer à diplomacia para definir um caminho a médio ou a longo prazo. Já o gestor Manuel Queiró afirma que Portugal não deve encarar este referendo com condescendência. 

  • O que separa a Catalunha do resto de Espanha?
    2:12

    Mundo

    Desde 1640, as revoltas catalãs representam a vontade pela distância e pela independência. Numa região que não é reconhecida formalmente como Nação, na Catalunha entende-se e fala-se mais castelhano do que catalão. Mas o que realmente separa a Catalunha do resto de Espanha?

  • A corrida ao iPhone 8 no Japão, China e Austrália
    2:04
  • Óculos inteligentes permitem controlar telemóvel com o nariz
    1:05
  • Defesa de Sócrates diz que junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal
    0:50

    Operação Marquês

    A defesa de José Sócrates diz que a junção do caso Rio Forte à Operação Marquês é ilegal. A aplicação de 900 milhões de euros da PT no BES foi anexada ao processo, por suspeita de luvas pagas por Ricardo Salgado a Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, também arguidos. A defesa do antigo primeiro-ministro já contestou a decisão. Diz que é uma forma de confundir o processo para ocultar, mais uma vez, a falta de provas contra Sócrates.

  • Família Portugal Ramos
    15:01