sicnot

Perfil

Mundo

Moscovo exige detenção de turco suspeito da morte de piloto russo

A Rússia exigiu hoje às autoridades de Ancara que detenham um cidadão turco suspeito de ter matado um dos pilotos do caça-bombardeiro russo abatido pela aviação turca sobre a fronteira síria em novembro último.

Sukhoi Su-24

Sukhoi Su-24

© Shamil Zhumatov / Reuters

"Exigimos medidas imediatas por parte das autoridades turcas para a detenção de Alparslan Çelik e dos seus cúmplices, e para a sua apresentação à justiça pelo assassínio do piloto russo", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, citada num comunicado.

Numa entrevista ao jornal turco Hurriyet, publicada no domingo, Alparslan Çelik, um cidadão turco que combate ao lado dos rebeldes turquemenos na Síria, afirmou que a sua consciência "não podia ser perturbada por alguém que lança bombas sobre civis turquemenos todos os dias", numa referência ao piloto russo.

Em novembro, as autoridades de Ancara acusaram Moscovo de ter bombardeado "aldeias de civis turquemenos", uma minoria de língua turca que vive na Síria.

"A vingança é o direito mais natural", declarou Çelik, na mesma entrevista.

"Ele confessou o seu envolvimento direto na morte do piloto russo", frisou a porta-voz da diplomacia russa, acrescentando que Alparslan Çelik não manifestou qualquer arrependimento pelas suas ações.

Maria Zakharova sublinhou ainda "a surpresa e a indignação" de Moscovo ao ver que "um dos principais jornais turcos fornece uma plataforma onde assassinos e terroristas vangloriam-se de crimes e propagam o ódio contra a Rússia e o povo russo, através de uma ideologia nacionalista".

A 24 de novembro, caças F-16 turcos abateram um Soukhoi-24 que sobrevoava a fronteira entre a Turquia e a Síria. Ancara afirma que o avião violou o seu espaço aéreo, o que é negado por Moscovo.

Um dos dois pilotos do bombardeiro russo foi morto a tiro quando descia de paraquedas.

O outro piloto russo foi resgatado numa operação conjunta das forças especiais russas e sírias, durante a qual morreu um soldado russo.

O incidente, descrito como "uma facada nas costas" pelo Presidente russo Vladimir Putin, causou uma grave crise diplomática entre a Rússia e a Turquia.

Em retaliação, Moscovo adotou um conjunto de sanções contra Ancara.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.