sicnot

Perfil

Mundo

Banhista sofre ferimentos em ataque de tubarão na Austrália

Um banhista sofreu hoje ferimentos nos braços e nas pernas depois de ter sido ferido no que se acredita ter sido um ataque de um tubarão na costa do estado australiano de Queensland, indicaram as autoridades.

RACQ CAPRICORN RESCUE HELICOPTER SERVICE/HANDOUT

Este último ataque surge numa altura em que as autoridades do estado vizinho de New South Wales estão a implementar medidas de prevenção, de modo a reduzir encontros com tubarões, depois de um elevado número de ataques em 2015.

O homem de 30 anos nadava ao largo de Rosslyn Bay, a cerca de 670 quilómetros de Brisbane, quando terá sido mordido por um tubarão, de acordo com a equipa de socorro.

"Tem ferimentos nos braços e nas pernas. Ainda está a ser examinado. Acabou de chegar à costa e será brevemente transferido para o Hospital Rockhampton", disse à AFP o porta-voz da ambulância.

"Pelo que sei, ele estava a fazer snorkeling um pouco afastado da praia e disse ter visto muitos peixes e depois um tubarão que veio do nada", disse o comandante da Guarda Costeira, Arthur Hunt, ao jornal local Brisbane's Courier Mail.

No ano passado registaram-se 14 ataques em New South Wales, incluindo o fatal de um surfista japonês, em comparação com os três de 2014, de acordo com a lista do Taronga Zoo de Sydney.

Em Queensland registaram-se quatro ataques em 2015, enquanto em 2014 houve apenas um, elevando o número para 22.

Especialistas acreditam que os ataques aumentam à medida que os desportos aquáticos se tornam mais populares e o peixe se move para perto da costa.

Lusa

  • "Quem não deve não teme"

    Football Leaks

    O futebolista português Cristiano Ronaldo, questionado sobre a sua alegada fuga ao fisco veiculada pela investigação "Football Leaks", disse que "quem não deve não teme", numa reação difundida esta quinta-feira pela rádio espanhola Onda Cero.

  • Hospitais já registam picos de afluência apesar de casos de gripe serem ainda poucos
    2:13

    País

    A gripe ainda não chegou em força, mas nos últimos dias foram vários os hospitais com grande afluências de doentes, sobretudo idosos e com infeções respiratórias. Em alguns dias desta semana o número de doentes disparou para mais de 600, como disse à SIC o presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

  • Cerca de 150 civis doentes retirados de Alepo

    Mundo

    Cerca de 150 civis, a maioria doentes ou deficientes, foram retirados na noite de quarta-feira para quinta-feira de um centro de saúde de Aleppo, na parte mais antiga da cidade tomada pelo exército sírio, anunciou a Cruz Vermelha internacional.