sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan cita nazismo para defender mais poderes presidenciais na Turquia

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, citou a Alemanha nazi, sob liderança de Adolf Hitler, para defender a polémica extensão dos seus poderes presidenciais, reportaram meios de comunicação turcos, citados pela AFP.

© Umit Bektas / Reuters

Erdogan, o homem forte da política turca na última década, tem tentado alterar a Constituição da Turquia de forma a garantir o alargamento dos poderes presidenciais para um modelo como o norte-americano, alegando que este vai assegurar uma governação mais eficaz.

"Num sistema unitário [como o turco], um sistema presidencial pode funcionar perfeitamente", afirmou Erdogan em declarações aos jornalistas quando regressava na quinta-feira a Istambul, de uma viagem à Arábia Saudita.

"Já existiram outros exemplos no mundo e na História. Podem ver isso olhando para o caso da Alemanha de Hitler", acrescentou o chefe de Estado turco, segundo os media locais, citados pela AFP.

No entanto, num comunicado à imprensa divulgado mais tarde, o gabinete do presidente disse ser "inaceitável" interpretar as palavras de Erdogan como um apoio ao regime nazi.

"O nosso presidente... [sic] declarou o Holocausto e o antissemitismo, assim como a islamofobia, crimes contra a Humanidade", afirmava-se no comunicado, que acrescentava que a Alemanha nazi "teve consequências desastrosas" para o sistema político e não podia ser encarada como um modelo.

Erdogan sugeriu referendar as suas propostas de reformas constitucionais.

Na passada semana, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, deu início a negociações com outros partidos políticos para substituir a Constituição de 1980, elaborada pelos militares depois de um golpe de Estado nesse mesmo ano.

Apesar de ter reconquistado a maioria no parlamento nas eleições de novembro, o partido de Erdogan, o AKP, não reúne os dois terços dos assentos necessários para alterar a Constituição, sem o apoio de outros partidos.

Lusa

  • Marco Silva vai treinar o Watford

    Desporto

    O treinador português Marco Silva assinou contrato com o Watford, da Liga Inglesa. O emblema que terminou a última Premier League na 17ª posição, a última antes dos lugares de descida, ganhou assim a corrida ao Crystal Palace e ao FC Porto, que também tentaram contratar o técnico.

  • "A maior conquista foi construir estabilidade"
    2:14

    Economia

    António Costa voltou esta sexta-feira a garantir que a partir de junho nenhum subsídio de desemprego será inferior a 421 euros por mês. O primeiro-ministro falava nas jornadas parlamentares do PS, onde afirmou que a estabilidade é a maior conquista deste Governo.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11
  • Uma foto para a história

    Mundo

    As mulheres dos líderes mundiais que se reúnem nas cimeiras da NATO posam para a fotografia oficial das primeiras-damas. A deste ano é histórica. Pela primeira vez, há um marido de um primeiro-ministro entre as nove mulheres. Trata-se de Gauthier Destenay, casado com o líder do Luxemburgo.