sicnot

Perfil

Mundo

Erdogan cita nazismo para defender mais poderes presidenciais na Turquia

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, citou a Alemanha nazi, sob liderança de Adolf Hitler, para defender a polémica extensão dos seus poderes presidenciais, reportaram meios de comunicação turcos, citados pela AFP.

© Umit Bektas / Reuters

Erdogan, o homem forte da política turca na última década, tem tentado alterar a Constituição da Turquia de forma a garantir o alargamento dos poderes presidenciais para um modelo como o norte-americano, alegando que este vai assegurar uma governação mais eficaz.

"Num sistema unitário [como o turco], um sistema presidencial pode funcionar perfeitamente", afirmou Erdogan em declarações aos jornalistas quando regressava na quinta-feira a Istambul, de uma viagem à Arábia Saudita.

"Já existiram outros exemplos no mundo e na História. Podem ver isso olhando para o caso da Alemanha de Hitler", acrescentou o chefe de Estado turco, segundo os media locais, citados pela AFP.

No entanto, num comunicado à imprensa divulgado mais tarde, o gabinete do presidente disse ser "inaceitável" interpretar as palavras de Erdogan como um apoio ao regime nazi.

"O nosso presidente... [sic] declarou o Holocausto e o antissemitismo, assim como a islamofobia, crimes contra a Humanidade", afirmava-se no comunicado, que acrescentava que a Alemanha nazi "teve consequências desastrosas" para o sistema político e não podia ser encarada como um modelo.

Erdogan sugeriu referendar as suas propostas de reformas constitucionais.

Na passada semana, o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, deu início a negociações com outros partidos políticos para substituir a Constituição de 1980, elaborada pelos militares depois de um golpe de Estado nesse mesmo ano.

Apesar de ter reconquistado a maioria no parlamento nas eleições de novembro, o partido de Erdogan, o AKP, não reúne os dois terços dos assentos necessários para alterar a Constituição, sem o apoio de outros partidos.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24