sicnot

Perfil

Mundo

Consulado da Índia no Afeganistão atacado por homens armados

Explosões e disparos de armas de fogo foram ouvidos hoje à tarde junto ao consulado da Índia em Mazar-i-Sharif, cidade do norte do Afeganistão, quando vários homens armados tentavam tomar de assalto o edifício, indicaram as autoridades.

"Estamos a ser atacados, está a haver tiroteio", declarou por telefone um diplomata indiano que se encontra no interior do edifício, citado pela agência de notícias francesa AFP.

Um correspondente da AFP em Mazar-i-Sharif disse ter ouvido duas explosões pelas 21:00 (16:30 em Lisboa), e depois disparos de armas de fogo.

"É um ataque contra o consulado da Índia. Ignoramos se os rebeldes conseguiram entrar no edifício", precisou Munir Farhad, porta-voz do governador da província de Balkh, onde se situa Mazar-i-Sharif, a um pouco mais de 300 quilómetros a noroeste de Cabul.

Vikas Swarup, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros indiano, disse que não há, até agora, notícia de vítimas indianas.

Este ataque ocorre uma dezena de horas após a visita ao Afeganistão do primeiro-ministro indiano, Narendra Modi. A Índia está a tentar posicionar-se como o aliado regional do Afeganistão a expensas do seu rival paquistanês, que Cabul acusa de abastecer os rebeldes talibãs.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.