sicnot

Perfil

Mundo

Cuba volta a deter cinco oposicionistas que libertara na aproximação aos EUA

Cinco opositores que tinham sido libertados no processo de aproximação de Cuba aos EUA voltaram a ficar sob custódia, informou hoje um grupo cubano de defesa dos direitos humanos.

JAVIER GALEANO

Os cinco estão entre um grupo de 53 detidos libertados em 2014 e no início de 2015, quando Washington e Havana decidiram restaurar as relações bilaterais ao fim de cinco décadas de interrupção.

A Comissão Cubana dos Direitos humanos, um grupo ilegal mas tolerado, adiantou que os cinco "foram confinados a prisões de alta segurança na segunda metade de 2015".

No grupo está Vladimir Morera, que foi hospitalizado no seguimento de uma greve de fome iniciada em 09 de outubro. Os EUA apelaram na semana passada à sua libertação.

Os outros que voltaram a ser detidos são Wilfredo Parada Milian, Jorge Ramirez Calderon, Carlos Manuel Figueroa e Aracelio Ribeaux Noa, segundo aquele grupo de defesa de direitos humanos.

Todos os cinco foram presos "em resultado de julgamentos viciados e sem o devido processo", avançou a Comissão.

Os dirigentes de Havana não comentaram. Mas o governo nega por norma que existam presos políticos e que os detidos que existem foram encarcerados por delito comum.

Ao contrário, o grupo de defesa dos direitos humanos garantiu que em 2015 foram detidas 8.616 presos por motivos políticos, muitas das quais libertadas ao fim de algumas horas.

Em 29 de dezembro, Roberta Jacobson, que tem o dossier da América Latina no Departamento de Estado, apelou ao governo do Presidente Raul Castro para que liberte Morera, de quem disse que tinha sido preso por oposição pacífica.

Este opositor, de 44 anos, está internado, com um estado de saúde "muito sério", num hospital da cidade de Santa Clara, devido à sua greve de fome, disseram familiares à AFP na semana passada.

Morera foi sentenciado em abril a quatro anos de prisão por alegadamente ter causado ferimentos pessoais durante um confronto com militantes pró governamentais, durante os quais uma mulher ficou ferida. A sua família nega as acusações.

Lusa

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • Furacão Maria já causou pelo menos nove mortes

    Mundo

    O furacão Maria já causou pelo menos nove mortos durante a sua passagem pelas Antilhas Menores, tendo baixando para uma tempestade de grau três depois de atravessar Porto Rico, segundo as autoridades.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC