sicnot

Perfil

Mundo

Um dos livreiros de Hong Kong desaparecidos tem cidadania britânica

Um dos cinco livreiros de Hong Kong desaparecidos tem cidadania britânica, confirmou hoje, em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico, manifestando-se "profundamente preocupado" com o seu paradeiro.

reuters

O caso desencadeou uma onda de indignação na antiga colónia britânica, que incluiu um protesto no domingo junto ao Gabinete da Ligação da China, em face da suspeita de que os desaparecimentos dos livreiros que trabalham na Causeway Books ou na casa editora associada, a Mighty Current, que publica obras banidas na China, tiveram a 'mão' de Pequim.

No comunicado da diplomacia britânica não se especifica qual dos cinco homens desaparecidos é britânico, mas acredita-se que seja Lee Bo, de 65 anos, o livreiro desaparecido mais recentemente.

"Estamos profundamente preocupados com as informações acerca do desaparecimento e detenção de indivíduos associados à livraria Causeway Bay Books em Hong Kong", refere-se no comunicado.

"Podemos confirmar que um dos indivíduos é um cidadão britânico e pedimos urgentemente a assistência das autoridades de Hong Kong e do interior da China em averiguar o bem-estar e paradeiro deste indivíduo", indicou a diplomacia britânica que instou o governo de Hong Kong a "honrar o seu compromisso" para com a liberdade de imprensa.

Acrescenta ainda que espera que as autoridades da China "continuem a fazer todos os esforços" para garantir o ambiente em que os 'media' e as casas editoras operam em Hong Kong.

O comunicado foi emitido pelo chefe da diplomacia britânica, Philip Hammond, em Pequim, onde se encontra de visita oficial de dois dias.

O caso de Lee Boo, de 65 anos, visto pela última vez na quarta-feira, não é o único em Hong Kong, mas tem tido maior atenção mediática, em particular hoje quando se ficou a saber que a sua mulher retirou a participação do desaparecimento que tinha apresentado junto da polícia, o que veio levantar ainda mais questões, na opinião de deputados da ala democrata.

A mulher de Lee Bo veio garantir que o fez depois de o marido ter entrado em contacto com um amigo, enviando uma carta por fax, escrita à mão, a um dos seus colegas da Causeway Books.

Na carta, datada de domingo, escreve que foi à China "pelo seu próprio método " e que atualmente está a trabalhar numa investigação que "pode levar tempo", e que teve de gerir o assunto de forma "urgente" para evitar que desconhecidos tomassem conhecimento.

Além disso, assegura que está bem e que "tudo decorre com normalidade", pedindo aos funcionários da Causeway Books que continuem a operar a livraria normalmente.

A carta surgiu depois de a mulher ter declarado que o marido lhe telefonou no dia em que desapareceu, a partir da cidade vizinha de Shenzhen, para lhe dizer que estava a colaborar numa investigação relacionada com os outros desaparecimentos, falando em mandarim, em vez de em cantonês, língua falada em Hong Kong.

A polícia confirmou hoje que a mulher de Lee Bo retirou a queixa, num gesto que a Amnistia diz apontar para intimidação.

A estes confusos factos, juntam-se as declarações do deputado democrata e advogado dos direitos humanos Albert Ho, segundo o qual estava em preparação um livro sobre a vida amorosa do Presidente chinês, Xi Jinping, em particular sobre uma namorada antiga, o que relacionou com os desaparecimentos.

O Presidente chinês tem levado a cabo uma intensa campanha anticorrupção para punir o alegado hedonismo no seio do Partido Comunista, o que inclui o que são considerados excessos na vida sentimental dos membros do partido, alguns publicados nas obras que a livraria Causeway Books e que estão proibidas na China, pelo que são populares entre muitos turistas que visitam Hong Kong.

Os outros desaparecidos, além de Lee Bo, são o editor com passaporte sueco Gui Minhai (desaparecido numa viagem à Tailândia), o gerente geral do estabelecimento Lu Bo, o principal gestor do negócio, Lin Rongji, e um funcionário, Zhang Zhiping.

Antiga colónia britânica, Hong Kong foi devolvida à República Popular da China em 1997, sob a fórmula "um país, dois sistemas", que promete manter os sistemas sociais e económicos da cidade durante 50 anos, detendo o estatuto de Região Administrativa Especial.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02
  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.