sicnot

Perfil

Mundo

Desde 1945 foram realizados 2.056 testes nucleares a nível mundial

A bomba de hidrogénio que a Coreia do Norte assegura ter testado hoje de madrugada eleva para 2.056 o número de testes nucleares realizados a nível mundial desde 1945.

A bomba nuclear número 1. O primeiro ensaio nuclear com uma bomba de plutónio foi realizado pelos Estados Unidos a 16 de julho de 1945, perto de Alamogordo, no Novo México.

A bomba nuclear número 1. O primeiro ensaio nuclear com uma bomba de plutónio foi realizado pelos Estados Unidos a 16 de julho de 1945, perto de Alamogordo, no Novo México.

AP

O primeiro ensaio nuclear foi realizado pelos Estados Unidos a 16 de julho de 1945. Denominado Experiência Trinity, o teste decorreu a 48 quilómetros de Socorro, perto de Alamogordo, no Novo México.

Após o êxito do teste, Washington lançou nesse mesmo ano, em agosto, duas bombas atómicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, provocando a morte de cerca de 200 mil pessoas até finais de 1945.

As vítimas mortais relacionadas com estes dois bombardeamentos viriam a aumentar ao longo dos anos devido aos níveis de radioatividade e das doenças associadas.

Segundo a Organização do Tratado de Proibição Total de Ensaios Nucleares (CTBTO, na sigla em inglês), o número de testes nucleares realizados nas últimas sete décadas, até fevereiro de 2013 (altura em que o regime de Pyongyang testou outro dispositivo), era de 2.055.

EUA são o país que mais testes nucleares realizou

No ranking das potências nucleares, os Estados Unidos lideram com a realização de 1.032 testes nucleares, seguidos pela antiga União Soviética e Rússia, com 715.

França (210), Reino Unido (45), China (45), Índia (3), Paquistão (2) e Coreia do Norte, com quatro testes incluindo este último ensaio anunciado por Pyongyang, são os outros países que constam desta lista.

De acordo com os dados disponibilizados pela CTBTO, os testes nucleares realizados entre 1945 e 1980 libertaram 510 megatoneladas de energia, equivalente a 34 mil bombas usadas em Hiroshima.

Em 1996, quando foi iniciado o processo para o Tratado de Proibição Total de Ensaios Nucleares, as grandes potências estabeleceram moratórias unilaterais, que foram respeitadas até hoje. Só a Índia, Paquistão e a Coreia do Norte quebraram essa moratória.

Entre as potências nucleares, o regime norte-coreano foi o último a arrancar com os testes de armas atómicas, em 2006.

Desde então, Pyongyang realizou testes em 2009, 2013 e, caso se confirme o ensaio desta madrugada, nesta primeira semana de 2016.

Estas manobras levaram à imposição de sanções internacionais contra o regime norte-coreano.

Várias resoluções das Nações Unidas proíbem Pyongyang de realizar atividades nucleares ou ligadas à tecnologia de mísseis balísticos.

O Tratado de Proibição Total de Ensaios Nucleares foi assinado até à data por 183 países, dos quais 162 ratificaram o documento.

O tratado ainda aguarda pela aprovação de oito países detentores de tecnologia nuclear: China, Egito, Coreia do Norte, Índia, Irão, Israel, Paquistão e Estados Unidos.

O primeiro artigo deste tratado estabelece que todos os Estados signatários devem assumir o compromisso de não realizar testes de explosões, testes de armas nucleares ou de qualquer outra explosão nuclear.

Como explica a CTBTO, entidade que prepara e promove a aprovação do tratado, o protocolo proíbe explosões em toda a superfície do planeta, debaixo de água ou em zonas subterrâneas.

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a lider da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleiçoes em vários países, como a Alemanha e a Holanda.