sicnot

Perfil

Mundo

EUA e Coreia do Sul condenam teste nuclear de Pyongyang

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul condenaram hoje o teste de bomba de hidrogénio alegadamente realizado pela Coreia do Norte, prometendo uma resposta adequada ao que consideram una "provocação" do regime de Kim Jing-un.

Lee Jin-man

"Apesar de ainda não podermos confirmar estas reivindicações, condenamos qualquer violação às resoluções do UNSC [Conselho de Segurança das Nações Unidas] e voltamos a pedir à Coreia do Norte para que cumpra as suas obrigações e compromissos internacionais", disse o porta-voz do Conselho Nacional de Segurança da Casa Branca Ned Price.

Os Estados Unidos, afirmou, vão "responder adequadamente a qualquer provocação norte-coreana".

De igual modo, a Coreia do Sul prometeu tomar "todas as medidas necessárias" para penalizar o país vizinho.

"Condenamos veementemente o quarto teste nuclear da Coreia do Norte, uma clara violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU, apesar dos nossos repetidos avisos e da comunidade internacional", afirmou um comunicado do Governo, lido na televisão pelo vice-presidente do Conselho Nacional de Segurança.

A Presidente sul-coreana, Park Geun-Hye, convocou uma reunião de emergência do conselho assim que o teste foi anunciado.

"Vamos tomar todas as medidas necessárias, incluindo sanções adicionais pelo Conselho de Segurança da ONU (...), para que a Coreia do Norte pague o preço do seu teste nuclear", indica o comunicado.

A Human Rights Watch também já reagiu, considerando que a prenda mais adequada para Kim Jong-un, que se acredita celebrar o seu aniversário, no dia 08, seria uma visita ao tribunal internacional de Haia.

"Kim Jong-un pode achar apropriado celebrar o seu aniversário com um teste nuclear, mas nem uma bomba de hidrogénio é suficiente para fazer esquecer que a ditadura hereditária da família Kim está assente na sistemática brutalização e abuso do povo norte-coreano", afirmou em comunicado Phil Robertson, vice-diretor para a Ásia da Human Rights Watch.

"O único presente de aniversário que Kim Jong-un devia receber da comunidade internacional é um bilhete só de ida para o Tribunal Criminal Internacional de Haia, onde devia ser julgado por crimes contra a humanidade", indica a organização de defesa dos direitos humanos.

No Japão, a polícia intensificou o dispositivo de segurança na associação "Chongryon", de residentes coreanos, ligada ao regime de Kim Jong-un, localizada no centro de Tóquio.

A "Chongryon" é uma associação de coreanos 'zainichi', cujos antepassados chegaram ao Japão na era do domínio colonial japonês sobre a península coreana (1910-1945), e que mantém laços diretos com o Governo de Pyongyang, sendo considerada a embaixada 'de facto' do país comunista no arquipélago.

Lusa

  • PSOE apresenta moção de censura contra Mariano Rajoy

    Mundo

    O PSOE apresenta hoje uma moção de censura contra o presidente do governo, Mariano Rajoy. A notícia está a ser avançada pelos meios de comunicação social espanhóis. Em causa está a condenação judicial de vários dirigentes do Partido Popular no caso de corrupção, conhecido como "Gurtel".

  • Assembleia-geral do Sporting marcada para 23 de junho
    2:57
  • Congresso do PS começa hoje na Batalha

    País

    O 22.º Congresso do PS começa hoje, na Batalha, distrito de Leiria, e durante o qual o secretário-geral, António Costa, deverá defender uma linha de continuidade estratégica, procurando, em simultâneo, projetar desafios estruturais que se colocam ao país.

  • Pelo menos 50 mortos em naufrágio na RD Congo

    Mundo

    Cinquenta corpos foram resgatados depois que um barco ter naufragado num rio no noroeste da República Democrática do Congo (RDCongo) na quarta-feira, de acordo com um relatório oficial entregue hoje à Agência France Presse (AFP).

  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC