sicnot

Perfil

Mundo

Há livrarias de Hong Kong a retirar das estantes livros proibidos na China

Algumas livrarias conhecidas de Hong Kong estão a retirar dos seus escaparates títulos proibidos na China, após o misterioso desaparecimento de uma série de livreiros críticos do regime chinês.

Estudantes protestam contra o desaparecimento de livreiros em Hong Kong, no dia em que o governo decidiu tirar das estantes livros proibidos na China

Estudantes protestam contra o desaparecimento de livreiros em Hong Kong, no dia em que o governo decidiu tirar das estantes livros proibidos na China

© Bobby Yip / Reuters

Uma delas é a Page One, focada sobretudo em títulos em língua inglesa, que conta com oito espaços em Hong Kong, seis dos quais no Aeroporto Internacional, a qual eliminou das suas estantes publicações com material crítico relativamente ao regime comunista depois do desaparecimento misterioso de livreiros da antiga colónia britânica.

Responsáveis da Page One, com sede em Singapura e sucursais na China (Pequim, Chengdu e Hangzhou), começaram a retirar das estantes das lojas em Hong Kong os livros politicamente sensíveis no final do mês de novembro, segundo noticia hoje o South China Morning Post, citando funcionários que indicaram que os exemplares em causa não voltar a ser colocados à venda.

As obras que compilam sórdidos detalhes sobre o funcionamento interno do Partido Comunista e a vida privada de membros do Governo chinês encontram-se, com frequência, entre as mais vendidas nas livrarias de Hong Kong, incluindo a Page One e a Causeway Bay.

Foi desta última, especializada em livros sobre política chinesa proibidos no interior da China, ou da casa editora associada (a Mighty Current) que desapareceram cinco livreiros, quatro dos quais desde outubro e o mais recente na quarta-feira, dia 30 de dezembro, num caso que veio desencadear a suspeita de que o caso contou com a 'mão' de Pequim e continua envolto em mistério.

Já os gestores da Eslite, com sede em Taiwan, insistem, segundo o mesmo jornal, não sentir qualquer pressão para retirar literatura politicamente sensível dos escaparates em Hong Kong, numa altura em que a livraria até tem expandido operações na antiga colónia britânica.

"Realmente não sentimos [pressão para retirar qualquer livro]. Pelo menos por agora não", afirmou a vice-presidente da Eslite, Mercy Wu, ao jornal de Hong Kong South China Morning Post, depois de hoje ter aberto a terceira loja da cadeia de livrarias que passa a ser maior Eslite em Hong Kong.

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.