sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco considera execuções como "assuntos internos" da Arábia Saudita

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, definiu hoje como "assuntos internos" da Arábia Saudita a recente execução por Riade de um líder religioso xiita, na origem de uma grave crise com o Irão.

© Christian Hartmann / Reuters

"As execuções constituem assuntos internos da Arábia Saudita", declarou o Presidente islamita-conservador num encontro com responsáveis políticos, ao recusar condenar a execução e em aparente contradição com o porta-voz do Governo turco Numan Kurtulmus, que na segunda-feira tinha lamentado a decisão.

O chefe de Estado turco manifestou ainda surpresa pela forte reação suscitada pela execução do dignitário xiita Nimr el-Nimr, um persistente crítico do regime saudita. "Nesse dia [sábado] registaram-se 46 execuções, incluindo de 43 sunitas. Apenas três dentre eles eram xiitas", revelou.

"No Egito foram condenadas à morte milhares de pessoas [após o golpe militar de 2013] e ninguém disse nada. Por que motivo o mundo não reagiu?", indignou-se Erdogan, apoiante do ex-presidente Mohamed Morsi, destituído pelos militares egípcios.

A Turquia aboliu formalmente a pena de morte em 2004 no âmbito do seu processo de adesão à União Europeia, desencadeado no ano seguinte.

O chefe de Estado turco também considerou "inaceitável" o ataque à embaixada saudita em Teerão por manifestantes.

A execução de El-Nimr pelo regime saudita, e de outras 46 pessoas condenadas por "terrorismo", originou uma grave crise diplomática entre Riade e Teerão.

Na noite de segunda-feira, e pela voz do vice-primeiro-ministro e porta-voz Numan Kurtulmus, a Turquia tinha apelado à calma entre as duas capitais e deplorou as execuções. Na terça-feira, o primeiro-ministro Ahmet Davotoglu mostrou-se ainda disponível para diminuir as tensões.

Nos últimos meses registou-se uma reaproximação entre Ancara e Riade, e em dezembro Erdogan visitou a Arábia Saudita.

Os dois países, com larga maioria de população muçulmana sunita, consideram o afastamento do Presidente Bashar al-Assad, apoiado pelo Irão, como condição prévia para uma solução política da guerra civil na Síria.

Lusa

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16

    Economia

    A Nokia chegou a ser uma das maiores empresas do mundo devido ao fabrico de telemóveis. Caiu, mas acaba de fazer renascer um dos sucessos de vendas do início do milénio. O anúncio foi feito este domingo, em Barcelona.