sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco considera execuções como "assuntos internos" da Arábia Saudita

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, definiu hoje como "assuntos internos" da Arábia Saudita a recente execução por Riade de um líder religioso xiita, na origem de uma grave crise com o Irão.

© Christian Hartmann / Reuters

"As execuções constituem assuntos internos da Arábia Saudita", declarou o Presidente islamita-conservador num encontro com responsáveis políticos, ao recusar condenar a execução e em aparente contradição com o porta-voz do Governo turco Numan Kurtulmus, que na segunda-feira tinha lamentado a decisão.

O chefe de Estado turco manifestou ainda surpresa pela forte reação suscitada pela execução do dignitário xiita Nimr el-Nimr, um persistente crítico do regime saudita. "Nesse dia [sábado] registaram-se 46 execuções, incluindo de 43 sunitas. Apenas três dentre eles eram xiitas", revelou.

"No Egito foram condenadas à morte milhares de pessoas [após o golpe militar de 2013] e ninguém disse nada. Por que motivo o mundo não reagiu?", indignou-se Erdogan, apoiante do ex-presidente Mohamed Morsi, destituído pelos militares egípcios.

A Turquia aboliu formalmente a pena de morte em 2004 no âmbito do seu processo de adesão à União Europeia, desencadeado no ano seguinte.

O chefe de Estado turco também considerou "inaceitável" o ataque à embaixada saudita em Teerão por manifestantes.

A execução de El-Nimr pelo regime saudita, e de outras 46 pessoas condenadas por "terrorismo", originou uma grave crise diplomática entre Riade e Teerão.

Na noite de segunda-feira, e pela voz do vice-primeiro-ministro e porta-voz Numan Kurtulmus, a Turquia tinha apelado à calma entre as duas capitais e deplorou as execuções. Na terça-feira, o primeiro-ministro Ahmet Davotoglu mostrou-se ainda disponível para diminuir as tensões.

Nos últimos meses registou-se uma reaproximação entre Ancara e Riade, e em dezembro Erdogan visitou a Arábia Saudita.

Os dois países, com larga maioria de população muçulmana sunita, consideram o afastamento do Presidente Bashar al-Assad, apoiado pelo Irão, como condição prévia para uma solução política da guerra civil na Síria.

Lusa

  • Sismo de magnitude 4,0 provoca um morto em Nápoles

    Mundo

    Um sismo de magnitude 4,0 na escala de Richter atingiu esta segunda-feira a ilha de Ísquia no golfo de Nápoles, no mar Tirreno, no sul de Itália. De acordo com o jornal La Stampa uma mulher terá morrido e dois feridos estarão em perigo de vida.

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.