sicnot

Perfil

Mundo

Presidente turco considera execuções como "assuntos internos" da Arábia Saudita

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, definiu hoje como "assuntos internos" da Arábia Saudita a recente execução por Riade de um líder religioso xiita, na origem de uma grave crise com o Irão.

© Christian Hartmann / Reuters

"As execuções constituem assuntos internos da Arábia Saudita", declarou o Presidente islamita-conservador num encontro com responsáveis políticos, ao recusar condenar a execução e em aparente contradição com o porta-voz do Governo turco Numan Kurtulmus, que na segunda-feira tinha lamentado a decisão.

O chefe de Estado turco manifestou ainda surpresa pela forte reação suscitada pela execução do dignitário xiita Nimr el-Nimr, um persistente crítico do regime saudita. "Nesse dia [sábado] registaram-se 46 execuções, incluindo de 43 sunitas. Apenas três dentre eles eram xiitas", revelou.

"No Egito foram condenadas à morte milhares de pessoas [após o golpe militar de 2013] e ninguém disse nada. Por que motivo o mundo não reagiu?", indignou-se Erdogan, apoiante do ex-presidente Mohamed Morsi, destituído pelos militares egípcios.

A Turquia aboliu formalmente a pena de morte em 2004 no âmbito do seu processo de adesão à União Europeia, desencadeado no ano seguinte.

O chefe de Estado turco também considerou "inaceitável" o ataque à embaixada saudita em Teerão por manifestantes.

A execução de El-Nimr pelo regime saudita, e de outras 46 pessoas condenadas por "terrorismo", originou uma grave crise diplomática entre Riade e Teerão.

Na noite de segunda-feira, e pela voz do vice-primeiro-ministro e porta-voz Numan Kurtulmus, a Turquia tinha apelado à calma entre as duas capitais e deplorou as execuções. Na terça-feira, o primeiro-ministro Ahmet Davotoglu mostrou-se ainda disponível para diminuir as tensões.

Nos últimos meses registou-se uma reaproximação entre Ancara e Riade, e em dezembro Erdogan visitou a Arábia Saudita.

Os dois países, com larga maioria de população muçulmana sunita, consideram o afastamento do Presidente Bashar al-Assad, apoiado pelo Irão, como condição prévia para uma solução política da guerra civil na Síria.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.