sicnot

Perfil

Mundo

Atentado na Líbia faz dezenas de mortos e feridos

Em atualização

Um atentado com um veículo armadilhado contra um centro de treino da polícia em Zliten, no oeste da Líbia, fez dezenas de mortos e de feridos, avançam as agências de notícias líbias. Uma fonte hospitalar citada pela Reuters fala já em pelo menos 65 mortos.

MOHAME BEN KHALIFA / EPA

De acordo com a agência de notícias Lana - associada ao governo reconhecido pela comunidade internacional -, o atentado cometido por um kamikaze fez 15 mortos e cerca de 30 feridos.

Por outro lado, a agência rival associada ao governo paralelo e que controla Zliten, afirma que morreram 50 pessoas e há 127 feridos, cita a agência France Press.

A Líbia é atualmente um Estado falhado, assolado pelo caos e pela guerra civil, desde que em 2011 a comunidade internacional apoiou um movimento rebelde contra a ditadura de Muammar Khadafi.

Desde as últimas eleições, que o poder está dividido entre dois governos, um com sede em Tripoli e outro, reconhecido pela comunidade internacional, em Tobruk.

Os dois governos são apoiados por grupos de islamitas, senhores de guerra, líderes tribais e traficantes de petróleo, armas, pessoas e droga.

Com a instabilidade no país, o grupo extremista Estado Islâmico e a organização Al-Qaida no Magrebe Islâmico aumentaram a sua influência na Líbia, ganhando poder territorial e contagiando a instabilidade a todo o norte de África.

EM ATUALIZAÇÃO

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras