sicnot

Perfil

Mundo

Célebre navio do comandante Cousteau vai voltar a navegar

A associação proprietária do "Calypso", o célebre navio de exploração oceanográfica do comandante Jacques-Yves Cousteau, ao abandono desde 2007 num porto francês, anunciou esta quinta-feira que a embarcação vai regressar ao mar.

Em janeiro de 1996, o "Calypso" naufragou em Singapura. (Arquivo)

Em janeiro de 1996, o "Calypso" naufragou em Singapura. (Arquivo)

© STR New / Reuters

"Estamos a trabalhar para tirar o navio de Concarneau (Bretanha, oeste de França) no prazo de três meses. O nosso objetivo é reparar completamente o navio e que volte a navegar para ser o embaixador dos oceanos, como queria o comandante", disse a associação Equipa Cousteau.

"Consideramos serem necessários entre 12 e 18 meses para pôr o 'Calypso' a navegar. Já contactámos empresas para esta empreitada", acrescentou.

A bordo do "Calypso", o explorador Jacques-Yves Cousteau percorreu, a partir de 1950 e durante mais de 40 anos, os oceanos para realizar filmes sobre os fundos marinhos, vistos em todo o mundo.

Com o seu barrete vermelho de escafandrista, Cousteau realizou vários documentários, sendo provavelmente o mais famoso "Le Monde Du Silence", que ganhou a Palma de ouro no festival de cinema de Cannes, em 1956.

Em janeiro de 1996, o "Calypso" naufragou em Singapura. Posto a flutuar, foi colocado em Concarneau em 2007, onde devia ter sido restaurado.

Divergências entre o estaleiro naval Piriou, encarregado dos trabalhos, e a Equipa Cousteau interromperam a recuperação do navio.

Em dezembro de 2014, a justiça francesa determinou que a associação devia retirar o "Calypso" do estaleiro antes de 12 de março deste ano e pagar à Piriou os trabalhos já efetuados, no valor de cerca de 300 mil euros.

A Equipa Cousteau indicou que o navio podia ser exposto no Mónaco, na água ou em doca seca, enquanto a empresa ameaçava leiloar o "Calypso".

"A Equipa Cousteau conseguiu sentar, à mesma mesa, vários mecenas internacionais generosos e muito motivados", disse a associação na sua página digital.

"Quando o 'Calypso' regressar ao Mediterrâneo, estará a navegar com os seus próprios motores, como queria o comandante Cousteau", acrescentou Francine Cousteau, segunda mulher do explorador e presidente da Equipa Cousteau.

Em comunicado, o estaleiro Piriou garantiu que fará "tudo ao seu alcance para permitir a saída do 'Calypso' da doca nas melhores condições", apesar de afirmar desconhecer o projeto de retirar o navio durante o primeiro trimestre. O estaleiro confirmou ter recebido, em dezembro, a soma devida pela associação.

Lusa

  • Neto de Jacques Cousteau tenta permanecer 31 dias num bunker submarino

    Mundo

    Fabien Cousteau iniciou no passado domingo, 1 de junho, uma aventura que tem como objetivo permanecer 31 dias num bunker submarino. Aquarius, um laboratório instalado a 20 metros de profundidade na Florida, é o espaço onde Fabien tenta superar o recorde de 30 dias atingido pelo avô, Jacques Cousteau, em 1963.

  • Neto de Jacques Costeau vive um mês debaixo de água
    1:30

    Mundo

    Uma equipa de oceanógrafos e investigadores passou um mês debaixo de água. é um novo recorde. Fabien Cousteau, 46 anos, passou os últimos 31 dias a viver no fundo do mar, a 18 metros de profundidade, ao largo das ilhas Key, na Florida. Em 1963, o avô de Fabien, o francês Jacques Cousteau, viveu 30 dias em condições semelhantes, a nove metros de profundidade, no mar Vermelho. O neto assegura que não queria bater o record do avô mas apenas chamar novamente a atenção para a conservação dos oceanos.

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira