sicnot

Perfil

Mundo

Governo do Iémen pede a representante da ONU que abandone o país

O Governo do Presidente imenita Abd Rabbo Mansur Hadi solicitou hoje ao representante do Alto-Comissariado da ONU para os Direitos Humanos no Iémen que abandone o país, depois de o acusar de parcialidade e declarar "persona non grata".

© Khaled Abdullah / Reuters

Segundo a agência Saba, dependente do Governo de Hadi, o diplomata libanês George Abu al-Zalf divulgou comunicados sobre a situação humanitária no Iémen em que é evidente um favoritismo em relação aos rebeldes Huthi.

A mesma fonte indicou que o ministério dos Negócios Estrangeiros iemenita enviou um documento oficial ao gabinete do Alto-Comissariado em Genebra, no qual sustenta que "o seu representante no Iémen perdeu o profissionalismo e a imparcialidade".

O ministro dos Direitos Humanos iemenita, Az al-Din al-Asbahi, citado pela agência Saba, expressou pesar pelo que descreveu como "comunicados não equitativos" sobre a "catastrófica situação humanitária" que o país vive, divulgados pelo gabinete que Al-Zalf dirige.

De acordo com Al-Asbahi, os textos do representante da ONU favorecem os interesses dos Huthi e das forças do ex-presidente Abdallah Saleh, aliado dos rebeldes xiitas.

O ministro insistiu que, nos seus comunicados, o representante do Alto-Comissariado se "identifica com a linguagem dos golpistas (Huthi) e ignora a situação catastrófica e as violações sistemáticas levadas a cabo pelas milícias golpistas durante os seus bombardeamentos e o seu cerco à cidade de Taez (sudoeste)".

"A indiferença do gabinete do Alto-Comissário perante estes crimes não é aceitável, quando as milícias mataram mais de 1560 cidadãos nos últimos dias em Taez", disse o ministro.

O Alto-Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, sediado em Genebra, emitiu na terça-feira um comunicado em que afirmava que 2.759 pessoas morreram e outras 5324 ficaram feridas no Iémen desde que começou a ofensiva da coligação internacional liderada pela Arábia Saudita contra os rebeldes, a 26 de março passado.

O gabinete do Alto-Comissariado no Iémen situa-se na capital, Sanaa, controlada desde setembro pelos rebeldes.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagas as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.