sicnot

Perfil

Mundo

Macaco sem direitos sobre própria selfie

Um juiz do Tribunal Federal de São Francisco, nos EUA, decidiu que o macaco, autor desta "selfie" de 2011, não tem quaisquer direitos sobre a imagem. A fotografia pertence ao dono da máquina.

Selfie de Noruto que pertence, por decisão judicial, a David Slater

Selfie de Noruto que pertence, por decisão judicial, a David Slater

Esta história começa em 2011. O fotógrafo David J. Slater passeava-se pela ilha de Sulawesi, na Indonésia. Naruto, o macaco, que por lá andava, roubou-lhe a câmara fotográfica e disparou uma selfie.

David achou graça e usou a imagem.

Quem não achou muita piada foi a PETA, uma organização não-governamental de defesa de direitos dos animais. Apresentou, o ano passado, uma ação em tribunal, a pedir que o macaco fosse reconhecido como o autor da fotografia e ficasse com os direitos da imagem.

O juiz do tribunal de São Francisco decidiu que é o fotógrafo quem tem os direitos da imagem.

A disputa em torno dos direitos sobre a imagem arrasta-se desde 2014. A entidade que regula os direitos de autor dos EUA negou ao fotógrafo os direitos sobre a famosa selfie.

David J. Slater decidiu então processar a Fundação Wikimedia, por publicar a fotografia e se recusar reconhecer o fotógrafo como autor da imagem. Pediu 30 mil dólares de indemnização.

Entretanto, e em reação a esta decisão, do tribunal de São Francisco, um porta-voz da PETA já fez saber que a organização vai recorrer.

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.